PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Castelão tem estimativa de receber público total de 87 mil pessoas

Com dois jogos de apelo em sequência, Castelão tem estimativa de receber público total de 87 mil pessoas neste fim de semana

01:30 | 14/09/2017

 

Palco de Copa do Mundo e maior praça esportiva do Estado, o Castelão deve receber um público digno de suas proporções neste fim de semana. Amanhã, alvinegros devem comparecer em bom número para Ceará x América-MG, às 21h30min, enquanto no sábado a expectativa é de lotação para Fortaleza x Tupi-MG, às 16 horas.

 

As partidas têm atrativos peculiares. Enquanto o Vovô está obrigado a vencer o líder da Série B do Brasileiro para ficar no G-4, o Leão quer construir bom resultado na ida das quartas de final da Série C, para, na semana seguinte, realizar o sonho do acesso que já aguarda oito anos.

A tática da diretoria alvinegra foi baixar o preço do ingresso, com bilhetes custando a partir de R$ 10 (inteira). Já os dirigentes do Tricolor apostaram na paixão da torcida, cobrando a partir de R$ 50 (inteira).

Dos dois lados, a estratégia parece estar dando certo. Até o fechamento desta página, 18 mil ingressos tinham sido vendidos de forma antecipada para Fortaleza x Tupi e 4.388 para Ceará x América-MG.

Restam ainda três dias de venda para o Fortaleza, que pretende esgotar a carga de 57 mil bilhetes. Já o Ceará comercializada ingressos até a hora da partida de amanhã com a expectativa de reunir 30 mil pessoas, segundo a assessoria de imprensa do clube.

Se as vendas corresponderem ao esperado, se repetirá o que ocorreu 2013. Na 29ª rodada da Série B, o Ceará colocou 31.792 pessoas no Castelão no 1 a 1 contra o Paraná. No dia seguinte, Fortaleza e Sampaio Corrêa empataram por 2 a 2 diante de 56.143 espectadores pela última rodada da fase de grupos da Série C.

CAPACIDADE REDUZIDA

Mesmo que venda a carga máxima, o Fortaleza não conseguirá bater os recordes de 2014, 2015 e 2016 (62.525, 62.930 e 63.903, respectivamente). Isso porque o Castelão está operando para até 57 mil torcedores. Segundo a Luarenas, gestora do Castelão, a redução atende a acordo com o Ministério Público do Estado de só retornar à capacidade máxima (63.903) quando todas as cadeiras quebradas em episódios anteriores de vandalismo no estádio estiverem repostas.

BRENNO REBOUçAS