PUBLICIDADE
Jornal

Estádio de São Januário é interditado e Vasco pode perder 25 mandos

Estádio do Vasco está impedido de receber jogos após episódio de violência da torcida no último sábado

11/07/2017 01:30:00
NULL
NULL
[FOTO1]

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) determinou a interdição de São Januário, palco de tumulto generalizado envolvendo torcedores do Vasco no sábado, 8, logo após o clássico contra o Flamengo. A CBF, por sua vez, determinou que jogos no estádio só poderão ser realizados com portões fechados. O clube também foi denunciado no STJD e pode perder até 25 mandos de campo, além de pagar multas de até R$ 350 mil.


A interdição é válida até que o tribunal analise o caso, o que não tem data marcada. Com a resolução da CBF, mesmo que o Vasco consiga reverter a decisão liminar, só poderá jogar em casa sem a presença de sua torcida.


Pelo STJD, a interdição foi assinada pelo vice-presidente, Paulo Cesar Salomão Filho, que acatou pedido da Procuradoria. Ele condicionou a liberação à vistoria da CBF “com laudos obrigatórios para o pleno funcionamento do estádio e segurança dos torcedores e público em geral”. A resolução da CBF, assinada pelo presidente Marco Polo Del Nero, determina que “sob nenhuma hipótese” será permitida a presença de torcedores.


Além da esfera esportiva, São Januário corre o risco de ser interditado pela Justiça comum. O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) entrou ontem com ação no Juizado Especial do Torcedor. O promotor Rodrigo Terra afirmou, em entrevista ao SporTV, que o Vasco não atendeu a uma solicitação feita no início do ano pelo órgão, que pedia um plano de ação e de segurança para jogos no estádio.


A CONFUSÃO


Vascaínos, após a derrota por 1 a 0 para o Flamengo, atiraram pedras e rojões contra o gramado, sendo contidos pela polícia com bombas de gás. Os torcedores destruíram as instalações e a confusão se prolongou pelas ruas do bairro de São Cristóvão, onde Davi Rocha Lopes acabou sendo baleado e depois morreu a caminho do hospital Municipal Souza Aguiar.


Após o episódio, a PM do Rio soltou nota oficial na qual responsabilizou funcionários do Vasco por falharem na revista dos torcedores na entrada do estádio e ainda destacou que as brigas entre torcidas do time são “recorrentes” neste Brasileirão.


“A PM pode até nem fazer a revista, alegando falta de contingente, mas ela é responsável por esta revista. Ela supervisiona a revista”, afirmou Eurico Miranda, presidente vascaíno, insinuando falha no controle. (AE)

Adriano Nogueira

TAGS