PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

A festa cresce e se transforma pela Cidade

O Pré-Carnaval começa oficialmente hoje o ciclo carnavalesco de 2018. Os quatro fins de semana seguintes sedimentam um movimento que começou na década de 1980 de antecipar a alegria da festa da carne

01:30 | 12/01/2018

Era um reboliço de inventar alegria quando fevereiro ainda era saudade. Com os amigos indo de mala e cuia para outras paragens no Carnaval, era o jeito antecipar o encontro. Assim, se conta 38 anos desde que o microempresário Jânio Soares criou o Periquito da Madame, o bloco que inaugurou esta folia ansiosa que se deu nome de Pré-Carnaval. Da primeira saída até hoje, Fortaleza já virou terra de Pré num mundaréu de blocos que renovam a iniciativa de seu Jânio todos os anos, e aquecem gentes de muitas Fortalezas que tem em comum o coração e a carne de Carnaval. 

As baterias levam o batuque para as ruas  Mateus Dantas
As baterias levam o batuque para as ruas Mateus Dantas
Jânio recebe homenagem pela genialidade da iniciativa, justo hoje, quando o Ciclo de Pré-Carnaval esquenta tambores e explode na Cidade. “Depois que a gente plantou a semente da brincadeira, florou no fortalezense esta ideia e pular Carnaval”, orgulha-se seu Jânio. Dos Prés de outrora, a festa presente guarda a euforia, mas muitos são as transformações.  

“O Pré começa como essa festa de boêmios na Praia de Iracema. Nos anos 2000, a Prefeitura de Fortaleza enxerga esse movimento e a passa a fomentar com os editais. Muitos blocos surgem daí, outros se fortalecem e a festa é abraçada pela Cidade, toma outros espaços, cria a identidade de públicos com lugares”, narra a jornalista Aline Medeiros, autora do livro “Janeiro de Chuvas, Suor e Cerveja”, que conta sobre a folia que transfigura os fins de semana de janeiro em festa da carne. 

Praia de Iracema sim, mas também Mercado dos Pinhões, Benfica, José Walter, Conjunto do Ceará, Moura Brasil, Aerolândia. A descentralização dos pontos de Pré é “a grande sacada” da festa em Fortaleza, opina o músico Marcello Santos, coordenador da Caravana Cultural Tambores Carnavalescos, que faz ressoar batuque no Pré-Carnaval há 15 anos.  

Na esteira de se expandir, fazer a rua de palco, engarrafar felicidade em lugar que vive de ouvir buzina, Mateus Perdigão, músico e organizador do Bloco Luxo da Aldeia, acredita que vão se construindo laços com a Cidade. “O Pré-Carnaval é para muita gente o momento de vivência com a Cidade. Todas as contradições que existem durante o ano todo estão presente ali. Ocupar tem também essa função de enxergar contradições e passar a se relacionar com a rua de outro modo”, pontua. 

Novidade, blocos e bandas que pulsam e surgem em meio à folia popular, fazem também as festas no espaço privado, apesar de aberto, de shoppings. A picuinha forjadas minutos antes do pontapé do Pré, é quase um Clássico-Rei de quem defende a estrutura e a segurança de um, contra quem quer mesmo é a emoção do fuzuê de raiz.  

Para Artur Guidugli, músico, produtor musical e integrante do Bloco Sandijunio, uma das agremiações que trazem certo frescor às badalações alencarinas, a treta se resolve fácil. “É cachê justo, com boa estrutura, e divulgação ampla. Mas um bloco que se propõe a fazer o Carnaval privado não pode se limitar a esse público, precisa circular, precisa estar na rua”, acredita. 

Juntando quase quatro décadas de experiência, o Pré-Carnaval de Fortaleza ainda precisa ir se ajustando: conversa franca para entender responsabilidades de blocos e poder público, além de novos espaços, reforça Mateus; incentivo fiscal que aumente os patrocínios e o fomento para quem põe o bloco na rua, sugere Marcello; blocos que pensem num repertório autoral feito quentinho para felicidade momina, projeta Artur. É uma construção coletiva que deve vir entre um pulo e outro. Mas é certo que se cresce: em público, em ritmos, em amores que se multiplicam. E também em lutas e resistências.  

Se no Carnaval da década de 1980, travestis eram presas, como lembra Jânio, em 2018, elas reúnem multidões no Bloco das Travestidas, e a homofobia faz blocos gritarem e jogarem glitter. Se o primeiro bloco fazia menção jocosa à mulher, agora elas batucam no Bloco As Damas Cortejam e cantam pela luta feminina. “Dificuldade e motivação são difíceis de se equilibrar para pôr o bloco na rua, mas ganha a energia que o Pré tem. Ali a gente muda a ocupação de um espaço com públicos que rompem com ideias de normatividade. Ganha estar na rua porque a gente vê que algo se transforma no Pré”, reflete a professora universitária e integrante do Damas, Sâmara Gurgel. 

 

“Depois que a gente plantou a semente da brincadeira, florou no fortalezense esta ideia de pular Carnaval” 

Jânio Soares, microempresário e fundador do Periquito da Madame, o primeiro bloco de Pré-Carnaval de Fortaleza 

“Dificuldade e motivação são difíceis de se equilibrar para pôr o bloco na rua, mas ganha a energia que o Pré tem” 

Sâmara Gurgel, professora e integrante do Bloco Damas Cortejam

“Pré-Carnaval é o momento de vivência com a Cidade. Todas as contradições que existem no ano todo estão presente ali” 

Mateus Perdigão, músico e integrante do Bloco Luxo da Aldeia  

“Seria bonito ter um bloco fazendo música autoral, criando público. Faria do Carnaval de Fortaleza ainda mais lindo” 

Artur Guidugli, músico, produtor musical e integrante do Bloco Sandijunio

DOMITILA ANDRADE