PUBLICIDADE
Notícias

Uma arena para todos os gostos e culturas

Com convidados de renome em diversas áreas culturais, terceira e maior edição do Festival Vida&Arte começa amanhã, 21, no Centro de Eventos do Ceará

01:30 | 20/06/2018

Música se une ao jornalismo. Atrações infantis dialogam com manifestações populares. Literatura conversa com a espiritualidade. Temas afins se complementam e opostos ganham a chance de se aproximar. Nos próximos quatro dias, o Centro de Eventos do Ceará receberá, ao todo, 48 horas de programação, divididas pelas mais de 600 atrações do Festival Vida&Arte.

Abrindo o panorama de diversidade de temas do Festival, a quinta-feira, 21, terá espaço para a interação de diversas tribos. Tudo começa com um show da Awaken Love Band, às 17 horas, fruto do movimento de mesmo nome criado pelo líder espiritual Sri Prem Baba. Em seguida, às 18 horas, uma aula de yoga será ministrada pelo guru. O momento também homenageia o Dia Mundial da Yoga e será transmitido mundialmente via internet.  

No decorrer da noite, outros shows apresentarão ao público a variedade de estilos que está no DNA do Festival. A dupla forrozeira Ítalo e Renno marcará presença para, em seguida, abrir espaço para outra apresentação musical - encerrando a noite, o bloco Luxo da Aldeia apresenta seu repertório de Carnaval, que todos os anos leva multidões às ruas de Fortaleza.

O espírito carnavalesco, inclusive, foi um dos grandes motivadores da curadoria no Festival Vida&Arte. “A ideia de vivência está desde o início da concepção do Festival. A gente sempre pensou na intenção de que fosse como no Carnaval de Olinda. Nele, você pode assistir ao espetáculo e ao mesmo tempo entrar nele, ao contrário de outros eventos”, compara Cliff Villar, coordenador geral do Festival Vida&Arte.

Cliff detalha que a organização tomou cuidado para que o público pudesse ter acesso ao maior número de experiências possível. Assim, além dos shows musicais, ele cita a realização de uma missa de padres franciscanos, apresentação de maracatus, danças indígenas. “Isso é um grande caldeirão”, resume.

União da arte e do público
Criar uma interação orgânica entre as atrações e o público é um dos grandes objetivos do evento. Assim, muitas as atrações do Festival irão além dos palcos, das palestras e debates. Dessa forma foram concebidas as transversalidades, elementos da programação que trarão ao público novos modos de interação e vivência. Atividades circenses, musicais e de outros gêneros fazem parte dessa busca pela surpresa.

COORDENADA
 

Espaços de aprendizado e cultura
 

Todos os espaços do Centro de Eventos dedicados ao Festival foram preparados para a ocasião.. Com a participação de diversas equipes de cenografia, os ambientes trazem as atrações para mais perto do público. De acordo com Laura Rios, do ateliê de arquitetura e urbanismo Espaço Urbano, os múltiplos temas dialogam entre si, se complementando na interação com o visitante.

Responsável pela área do térreo, a empresa procurou trazer elementos que remetessem às vivências pessoais de quem visitar o setor. “Dentro do nosso conceito, existe também o compromisso de elaborar a cenografia com materiais e mão de obras locais, ressaltando nosso artesanato. Técnicas como o macarrão de plástico, por exemplo, tão conhecida nas cadeiras de balanço das nossas avós, estão presentes na sala de leitura infantil, mas dentro de uma estética muito intrigante. Esses elementos resgatam nossa memória afetiva, mas com curiosidade sobre o novo”, explica Laura.

A espiritualidade, uma das áreas que aparece com mais força no Festival, não poderia deixar de ter seu próprio espaço voltado para relaxamento e paz. Uma reprodução do Templo de Durga, a deusa indiana, foi construída com a proposta ser um espaço agregador para quem se identifica com temas relacionados à espiritualidade. O projeto foi desenvolvido pela cenógrafa Cristina Decot e pela arquiteta e urbanista Rita Aires. A área é voltada para exposições de roupas, quadros e adereços.

“Esperamos que o público tenha a experiência de ser acolhido no espaço da reza, da contemplação, do estímulo sensorial. Que encontre ali um oásis de amor e acolhimento, um local onde possa meditar e usufruir da experiência da devoção”, explica Cristina.

QUADRO
 

Números do Festival

%2b de 544 atrações em

4 Dias de evento

23 palcos

37 mil m² de a área total do evento

13 mil m² para comércios e exposições

3.500 colaboradores

QUADRO
 

Lançamento

A publicação mais antiga em circulação no Estado, o Anuário do Ceará, produzido pelo Grupo O POVO de Comunicação desde 2002, traz neste ano uma homenagem aos 90 anos da casa. Como nas edições anteriores, o leitor terá acesso aos dados mais atualizados de diferentes áreas, como economia, saúde e educação do Ceará.

Na nova edição, o capítulo especial sobre os 90 anos ficou a cargo do repórter Rômulo Costa. O jornalista traz um histórico do jornal, mostrando características atuais que já estavam presentes à época da fundação, sob responsabilidade de Demócrito Rocha. Há também uma linha do tempo desde a fundação do O POVO, passando por momentos importantes na história do jornal, do Brasil e do mundo, chegando até as iniciativas mais modernas do Grupo.

Outro destaque é a publicação do ranking das gestões dos municípios cearenses. Exclusivo, o levantamento foi produzido pela equipe de técnicos do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece-CE), a partir de uma série de indicadores, que resulta no Índice Comparativo de Gestão Municipal (ICGM) Anuário do Ceará - Ipece.

 

Quadro 


Festival personalizado


Para quem deseja focar apenas em um número específico de atrações, é possível criar sua própria programação de forma personalizada. No site do Festival, basta selecionar quais atrações deseja ver e depois clicar em “Baixar meu Festival”. Um arquivo PDF com local e horário será gerado com todos os itens selecionados pelo usuário, facilitando o acesso ao que se procura.

TAGS
Uma arena para todos os gostos e culturas
PUBLICIDADE
Notícias

Uma arena para todos os gostos e culturas

Com convidados de renome em diversas áreas culturais, terceira e maior edição do Festival Vida&Arte começa amanhã, 21, no Centro de Eventos do Ceará

01:30 | 20/06/2018

Música se une ao jornalismo. Atrações infantis dialogam com manifestações populares. Literatura conversa com a espiritualidade. Temas afins se complementam e opostos ganham a chance de se aproximar. Nos próximos quatro dias, o Centro de Eventos do Ceará receberá, ao todo, 48 horas de programação, divididas pelas mais de 600 atrações do Festival Vida&Arte.

Abrindo o panorama de diversidade de temas do Festival, a quinta-feira, 21, terá espaço para a interação de diversas tribos. Tudo começa com um show da Awaken Love Band, às 17 horas, fruto do movimento de mesmo nome criado pelo líder espiritual Sri Prem Baba. Em seguida, às 18 horas, uma aula de yoga será ministrada pelo guru. O momento também homenageia o Dia Mundial da Yoga e será transmitido mundialmente via internet.  

No decorrer da noite, outros shows apresentarão ao público a variedade de estilos que está no DNA do Festival. A dupla forrozeira Ítalo e Renno marcará presença para, em seguida, abrir espaço para outra apresentação musical - encerrando a noite, o bloco Luxo da Aldeia apresenta seu repertório de Carnaval, que todos os anos leva multidões às ruas de Fortaleza.

O espírito carnavalesco, inclusive, foi um dos grandes motivadores da curadoria no Festival Vida&Arte. “A ideia de vivência está desde o início da concepção do Festival. A gente sempre pensou na intenção de que fosse como no Carnaval de Olinda. Nele, você pode assistir ao espetáculo e ao mesmo tempo entrar nele, ao contrário de outros eventos”, compara Cliff Villar, coordenador geral do Festival Vida&Arte.

Cliff detalha que a organização tomou cuidado para que o público pudesse ter acesso ao maior número de experiências possível. Assim, além dos shows musicais, ele cita a realização de uma missa de padres franciscanos, apresentação de maracatus, danças indígenas. “Isso é um grande caldeirão”, resume.

União da arte e do público
Criar uma interação orgânica entre as atrações e o público é um dos grandes objetivos do evento. Assim, muitas as atrações do Festival irão além dos palcos, das palestras e debates. Dessa forma foram concebidas as transversalidades, elementos da programação que trarão ao público novos modos de interação e vivência. Atividades circenses, musicais e de outros gêneros fazem parte dessa busca pela surpresa.

COORDENADA
 

Espaços de aprendizado e cultura
 

Todos os espaços do Centro de Eventos dedicados ao Festival foram preparados para a ocasião.. Com a participação de diversas equipes de cenografia, os ambientes trazem as atrações para mais perto do público. De acordo com Laura Rios, do ateliê de arquitetura e urbanismo Espaço Urbano, os múltiplos temas dialogam entre si, se complementando na interação com o visitante.

Responsável pela área do térreo, a empresa procurou trazer elementos que remetessem às vivências pessoais de quem visitar o setor. “Dentro do nosso conceito, existe também o compromisso de elaborar a cenografia com materiais e mão de obras locais, ressaltando nosso artesanato. Técnicas como o macarrão de plástico, por exemplo, tão conhecida nas cadeiras de balanço das nossas avós, estão presentes na sala de leitura infantil, mas dentro de uma estética muito intrigante. Esses elementos resgatam nossa memória afetiva, mas com curiosidade sobre o novo”, explica Laura.

A espiritualidade, uma das áreas que aparece com mais força no Festival, não poderia deixar de ter seu próprio espaço voltado para relaxamento e paz. Uma reprodução do Templo de Durga, a deusa indiana, foi construída com a proposta ser um espaço agregador para quem se identifica com temas relacionados à espiritualidade. O projeto foi desenvolvido pela cenógrafa Cristina Decot e pela arquiteta e urbanista Rita Aires. A área é voltada para exposições de roupas, quadros e adereços.

“Esperamos que o público tenha a experiência de ser acolhido no espaço da reza, da contemplação, do estímulo sensorial. Que encontre ali um oásis de amor e acolhimento, um local onde possa meditar e usufruir da experiência da devoção”, explica Cristina.

QUADRO
 

Números do Festival

%2b de 544 atrações em

4 Dias de evento

23 palcos

37 mil m² de a área total do evento

13 mil m² para comércios e exposições

3.500 colaboradores

QUADRO
 

Lançamento

A publicação mais antiga em circulação no Estado, o Anuário do Ceará, produzido pelo Grupo O POVO de Comunicação desde 2002, traz neste ano uma homenagem aos 90 anos da casa. Como nas edições anteriores, o leitor terá acesso aos dados mais atualizados de diferentes áreas, como economia, saúde e educação do Ceará.

Na nova edição, o capítulo especial sobre os 90 anos ficou a cargo do repórter Rômulo Costa. O jornalista traz um histórico do jornal, mostrando características atuais que já estavam presentes à época da fundação, sob responsabilidade de Demócrito Rocha. Há também uma linha do tempo desde a fundação do O POVO, passando por momentos importantes na história do jornal, do Brasil e do mundo, chegando até as iniciativas mais modernas do Grupo.

Outro destaque é a publicação do ranking das gestões dos municípios cearenses. Exclusivo, o levantamento foi produzido pela equipe de técnicos do Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece-CE), a partir de uma série de indicadores, que resulta no Índice Comparativo de Gestão Municipal (ICGM) Anuário do Ceará - Ipece.

 

Quadro 


Festival personalizado


Para quem deseja focar apenas em um número específico de atrações, é possível criar sua própria programação de forma personalizada. No site do Festival, basta selecionar quais atrações deseja ver e depois clicar em “Baixar meu Festival”. Um arquivo PDF com local e horário será gerado com todos os itens selecionados pelo usuário, facilitando o acesso ao que se procura.

TAGS