PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

Preço menor e despacho das bagagens também impactam

Escolha. Modais

06/05/2019 02:25:54

Não é somente a saída da Avianca que está influenciando o aumento da procura pelo modal rodoviário. O preço das passagens aéreas e a cobrança extra para despacho de bagagens têm levado muitos usuários a repensarem a forma como será feita a viagem.

O barbeiro Léo Oliveira, 33 anos, por exemplo, até chegou a pesquisar preços de passagem de avião pela internet, mas não demorou a tomar a decisão de fazer a viagem a Recife de ônibus.

"Como eu estou viajando com muitas malas, não tinha a menor condição de ir de avião. Recentemente fui à Argentina e por causa da altura da rodinha da mala, que não se encaixava no padrão, tive que desembolsar mais R$ 120 na hora de embarcar", afirmou.

A passagem de ônibus ele comprou no mesmo dia da viagem por R$ 79. Sendo que a de avião, pesquisada por ele com uma semana de antecedência, estava saindo a R$ 200, sem franquia de bagagem. Por outro lado, ele vai levar bem mais tempo para chegar ao seu destino. No caso de Fortaleza-Recife, O POVO apurou que o trajeto tem duração de, no mínimo, de 12 horas e 23 minutos, enquanto a viagem de avião é 1 hora e 20 minutos para voos sem escala. "Mesmo assim, vale o custo benefício", afirma Léo.

Já para o lavrador Gilmar da Silva, 41, a tomada de decisão foi balizada pelo menor preço. "Eu tomei um susto quando vi a passagem de avião para Brasília por R$ 1.400, é um absurdo. Sendo que aqui na rodoviária comprei por pouco mais de R$ 400".

Irna Cavalcante