PUBLICIDADE
Jornal
>

O intercâmbio dos Emirados Árabes com a economia cearense

| Oportunidade | Setor alimentício, de energias renováveis, dessalinização de água, turismo, saúde e inovação, infraestrutura e desburocratização são os interesses do Estado com o país do Oriente Médio

15/05/2018 01:30:00
NULL
NULL

[FOTO1]
O Ceará e os Emirados Árabes Unidos começam a estreitar o diálogo em futuras parcerias no âmbito comercial e de cooperação. Alguns setores, como os de alimentação e energias renováveis podem ser os dínamos desse relacionamento. Além disso, a companhia aérea Emirates compareceu ao Estado para conhecer a apresentação sobre o Aeroporto de Fortaleza.

 

“O setor alimentício é uma grande oportunidade. Os Emirados Árabes importam muito do Brasil. Na área de energias renováveis, com a solar e a eólica, o Ceará se assemelha com meu país. Podemos trabalhar no sistema de cooperação, assim como na seara da dessalinização de água, onde temos expertise”, destaca Hafsa Al Ulama, embaixadora do país do Oriente Médio, em visita ontem à Federação das Indústrias do Ceará (Fiec).

 

Na agenda apresentada ontem, foram explicitados eixos de potenciais parcerias do Estado, entre elas na área de alimentos, saúde e inovação, infraestrutura, energias renováveis, além de um módulo destinado aos avanços da plataforma Fortaleza Online da Prefeitura Municipal. “A desburocratização do governo é uma coisa que fazemos. Esse é o caminho a ser seguido. No futuro, há espaço para sentarmos juntos e debatermos essa questão”, diz.

 

Outra frente a ser prospectada é o turismo. “As pessoas dos Emirados costumam viajar pelo mundo todo. Precisamos trabalhar juntos nesse sentido. Há um potencial de intercâmbio turístico. Um fator que pode ajudar muito é a isenção de visto para brasileiros viajar aos Emirados e vice-versa. É o primeiro passo”, explica.

 

Hoje a embaixadora se reúne com o César Ribeiro, titular da Secretaria do Desenvolvimento Econômico do Estado (SDE). Serão mostradas questões como ambiência do Ceará, números da educação, os hubs (portuário, aeroportuário e de telecomunicações).

 

A construção da agenda com os Emirados Árabes começou há dois meses. “Tivemos uma agenda em Abu Dhabi (capital do país). Visitamos o porto, as zonas de livre comércio. A partir de agora é estabelecer a comunicação para que possamos agregar oportunidades não somente na indústria, mas na tecnologia da informação (T.I) entre outros setores”, afirma o secretário.

 

O Estado também articula uma missão de negócios para 2019 no país do Oriente Médio. “Provavelmente no primeiro semestre do ano que vem ela ocorrerá. Com a liderança do governador, queremos levar empresas cearenses  e os potenciais investidores. Não se trata apenas de uma apresentação, mas a formação de networking para fomentar novos negócios”, adianta.

 

De acordo com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), no ano passado, o Brasil exportou US$ 2,5 bilhões para os Emirados Árabes. As importações totalizaram US$ 186 milhões. Foi o 22º destino das vendas externas. Os principais produtos vendidos foram carne de frango congelada (21%), açúcar de cana em bruto (20%) e açúcar refinado (21%). O principal item que o País comprou foi ureia em solução aquosa (57%).

 

SAIBA MAIS

 

Alimentos cearenses

Enquanto as tratativas oficiais com os Emirados Árabes dão os primeiros passos, as empresas cearenses já iniciam os primeiros negócios com o país. “Já iniciamos as tratativas com empresas de Dubai para a exportação de polpa de frutas tropicais”, ressalta André Siqueira, presidente do Sindicato das Indústrias de Alimentação e Rações Balanceadas no Estado do Ceará (Sindialimentos). Outras ofertas também podem ser realizadas, segundo ele. Entre eles cajuína, derivados de coco, goma de tapioca e produtos naturais e orgânicos.

 

Interesse aéreo

Uma representante da empresa aérea Emirates também esteve presente na visita à Fiec. Seu interesse foi na apresentação que tratou sobre o Aeroporto de Fortaleza, administrado pela Fraport, e aeródromos do Estado.

 

Adece dos Emirados

Bruno Bassi, gerente de exportação da Dubai Export – equivalente à Agência de Desenvolvimento Econômico do Ceará (Adece) – do país do Oriente Médio, ressaltou os eixos de apoio às companhias internacionais com interesse em comercializar com os Emirados Árabes.

 

Átila Varela

TAGS