PUBLICIDADE
Jornal
>

O impacto do preço dos combustíveis nos setores

| DIESEL E GASOLINA | Petrobras anunciou redução nos preços. Apesar de coincidir com protestos, ajuste se dá devido à queda do dólar. Já o Governo vem com proposta de zerar impostos sobre os combustíveis para tentar baixar valores

23/05/2018 01:30:00
NULL
NULL
[FOTO1]

O impasse em torno do preço dos combustíveis no Brasil segue impactando a economia. Na manhã de ontem, a Petrobras anunciou queda no preço da gasolina e do diesel, no entanto, apesar de coincidir com o período de protestos, a redução é temporária e está associada à queda do dólar.


Enquanto não há uma solução delimitada, aumento de preços repercutem não só em quem compra o combustível direto da bomba, mas em setores de transportes, alimentícios, hoteleiros e comerciais. Há ainda o agravante de que o Ceará tem a terceira gasolina mais cara do País.


Ainda na tarde de ontem, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou que o governo vai zerar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide-combustíveis) sobre a gasolina e o diesel para ajudar a reduzir preços. No entanto, até o fim desta edição, o Ministério da Fazenda ainda não havia confirmado.


Com a queda que deverá ocorrer hoje, o preço médio do litro da gasolina, sem tributo, nas refinarias será de R$ 2,0433, com recuo de 2,08% em relação à média atual de R$ 2,0867. O combustível acumula alta de 13,6% no ano. O valor médio nacional do litro do diesel caiu para R$ 2,3351, 1,54% menor do que os R$ 2,3716 atuais. No mês, o produto tem alta de 10,6%.


“Essa redução nada tem a ver com o movimento dos caminhoneiros e muito menos com a ida do presidente da Petrobras à reunião com os ministros em Brasília. Essa redução está acontecendo em decorrência de um dos componentes das políticas formadoras de preço da Petrobras, que é a taxa cambial”, explica Bruno Iughetti, consultor de combustíveis e energia. Isso porque, após intervenção do Banco Central (BC), houve queda do preço do dólar, que passou de R$ 3,76 para R$ 3,63.


Ele avalia ainda que variações cambiais que resultem em preços altos dos combustíveis, principalmente no óleo diesel, impactam diretamente na inflação. “Isso por causar um efeito de bola de neve. Aumentando o diesel, por consequência, aumenta os fretes, impacta os responsáveis pelos transportes e nos gêneros de primeira necessidade e assim por diante”, afirma Iughetti.


Manuel Novais, presidente do Sindipostos-CE, diz que redução nos impostos é bem-vinda, mas não acredita que proposta de redução da Cide se confirme.


NEGOCIAÇÕES POLÍTICAS SOBRE OS VALORES


MANIFESTAÇÕES

Caminhoneiros voltaram a bloquear rodovias pelo País contra os aumentos seguidos nos preços do diesel. Foram mais de 150 pontos de protesto nesta terça.

REUNIÃO

Por volta das 9h30min de ontem, ministros da Fazenda, Eduardo Guardia, e de Minas e Energia, Moreira Franco, se reuniram com o presidente da Petrobras, Pedro Parente, para discutir as variações no preço dos combustíveis.

MINAS E ENERGIAS

Moreira Franco rechaçou mudanças na política de preços da Petrobras.

 

POUCO ESPAÇO

O ministro do Planejamento, Esteves Colnago, disse que o governo vê muito pouco espaço para a redução de tributos sobre combustíveis.

ZERAR A CIDE

O presidente da Câmara dos Deputados anunciou que o governo vai zerar a Cide sobre a gasolina e o diesel para ajudar a reduzir o preço dos combustíveis no País.

PROTESTOS MANTIDOS

Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) defendeu continuidade nos protestos no País até que haja “um posicionamento efetivo” do Governo.

 

TAGS