PUBLICIDADE
Jornal

Holandesa fará plano para fábrica de ônibus elétricos no CE

Empresa negocia instalação de uma planta em São Gonçalo do Amarante, na Zona de Processamento de Exportação (ZPE). Após reunião, Governo solicitou estudo da empresa que mostre viabilidade do projeto

01/11/2017 01:30:00
NULL
NULL
[FOTO1]

Diante do interesse de uma empresa holandesa em implantar fábrica de ônibus elétricos na Zona de Processamento de Exportação (ZPE) do Ceará, o Governo do Estado pediu que a companhia elaborasse um plano mestre (masterplan) para justificar a viabilidade econômica e financeira do negócio. Os veículos atenderiam à demanda tanto do mercado internacional quanto nacional.


Na última segunda-feira, 30, dia em que foi oficializado o hub (centro de conexões de voos) da Air France-KLM/Gol em Fortaleza, executivos da companhia estiveram reunidos no Palácio da Abolição com representantes de empresas de ônibus de Fortaleza e com o secretário de Assuntos Internacionais do Governo do Ceará, Antônio Balhmann.


De acordo com Balhmann, a empresa, cujo nome ele prefere não revelar, já vinha sinalizando ao Estado a vontade de construir uma planta na ZPE, localizada no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp), no município de São Gonçalo do Amarante, distante 59,4 km de Fortaleza.

[QUOTE1]

O secretário informa que a empresa holandesa ficou de elaborar o plano mestre, abordando no projeto questões como: preço médio dos veículos para os mercados nacional e internacional, financiamento dos equipamentos, manutenção e reposição de peças dos ônibus, logística, etc. “Todos esses pontos precisam ficar claros no masterplan. É uma empresa com expertise no setor de ônibus elétricos alimentados a bateria e que atende boa parte do mercado europeu. A probabilidade para viabilizar esse projeto na ZPE é grande”, afirma. Conforme O POVO apurou, a companhia também tem produção na China, além de na própria Holanda.


Conforme Balhmann, o Estado ainda tem mantido negociações com outras empresas que também produzem veículos elétricos, como a chinesa BYD, que opera no Brasil desde 2015.


Convencimento

Por outro lado, o secretário observa que, em âmbito municipal, estadual e nacional, os empresários das concessionárias de transporte coletivo urbano precisam estar convencidos de que a compra de ônibus elétricos valeria a pena. “Por isso, é preciso criar essa demanda. O Governo é apenas um mediador das negociações. Trabalhamos para facilitar o contato entre a companhia e os empresários”, acrescenta.

 

Exportação

Quanto a possíveis clientes da empresa holandesa no Exterior, Balhmann informa que os investidores miram os mercados latino-americano e africano. O secretário ainda lembra da importância da aprovação do projeto de lei que tramita no Congresso Nacional, que trata do percentual de receitas obtidas pelas empresas instaladas em ZPEs.

 

A legislação brasileira determina que, no mínimo, 80% da produção das empresas instaladas em ZPEs sejam voltadas para exportações, percentual que cairá para 60% com a aprovação da matéria, que já passou pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).


Ontem, O POVO divulgou, com exclusividade, que empresas holandesas têm interesse em investir no Ceará, influenciadas pela instalação do hub. Além da companhia de ônibus elétricos, a rede de hotéis Van der Valk deseja construir um hotel próximo ao Aeroporto Pinto Martins.


Ainda ontem, representantes da rede hoteleira teriam reunião com a titular da Secretaria de Urbanismo e Meio Ambiente de Fortaleza (Seuma), Águeda Muniz, mas o encontro foi adiado. A assessoria de imprensa da Secretaria informou ao O POVO que a nova data ainda não foi definida.

 

Raone Saraiva

TAGS