PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Oi segue líder em número de linhas de celular na Capital

De acordo com a Teleco, a operadora possui 55% do market share de telefones pré-pagos e 37,7% dos números pós-pagos em Fortaleza

01:30 | 12/10/2017

Pesquisa divulgada pela Teleco - Inteligência em Telecomunicações revelou que a Oi e a Vivo lideram em número de linhas de celular nas dez maiores capitais do Brasil, respectivamente. Em Fortaleza, com população estimada 2,6 milhões de pessoas, existem 5,9 milhões de linhas. Na Capital cearense, a Oi tem o maior número de clientes, com mais de 50% do market share.

De acordo com a Teleco, em agosto, a operadora, era líder em market share no pré-pago, com 55%, e no pós-pago, com 37,7%. Desde 2008,a Oi é líder no número de linhas na Capital cearense, conforme dados da Agência Nacional de Telecomunicações(Anatel). A companhia, inclusive, foi a que apresentou a maior curva de crescimento de dezembro de 2016 para agosto deste ano.

Depois da Oi, TIM, Claro e Vivo completam o ranking em Fortaleza, respectivamente. Entre as dez maiores capitais do Brasil, a Vivo é líder em quatro (Manaus, Belo Horizonte, São Paulo e Porto Alegre), a Oi em três (Fortaleza, Recife e Salvador), a Claro em duas (Brasília e Rio de Janeiro) e a TIM em uma cidade (Curitiba).

São Paulo é a Capital que lidera no número de linhas de telefone celular (34,8 milhões), seguida do Rio de Janeiro (16,9 milhões) e Belo Horizonte (9,4 milhões). Já as cidades com a menor quantidade de linhas são Manaus (3 milhões), Curitiba (5,1 milhões) e Brasília e Salvador (ambas com 5,7 milhões). Recuperação judicial

A nova versão do plano de recuperação judicial da Oi, divulgada ontem, estabelece que as dívidas da empresa da esfera administrativa, onde se concentram os passivos de R$ 11 bilhões junto à Anatel, sejam equalizados via Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) ou por meio de parcelamento em 20 anos, com entrada de 20%. Para credores com garantia real, caso em que se encaixa o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a proposta da Oi é o pagamento de juros após carência de quatro anos e do principal após seis anos.

Com Agência Estado