PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

CE quer voltar a liderar produção de energia

Estado quer simplificar e modernizar licenciamento ambiental para setor de energias renováveis para tornar Ceará mais atrativo para investimentos

00:00 | 05/10/2017
Representantes do setor e do Governo do Estado apresentaram propostas para energias renováveis DIVULGAÇÃO
Representantes do setor e do Governo do Estado apresentaram propostas para energias renováveis DIVULGAÇÃO

O Ceará se mobiliza para voltar a liderar a produção de energia eólica (dos ventos) e solar no Brasil. Uma das principais medidas, a ser anunciada nos próximos dias -ainda sem data definida - é a modernização e simplificação do licenciamento ambiental para o setor de energias renováveis no Ceará.

Foi o que afirmou ontem o secretário do Meio Ambiente do Estado, Artur Bruno, durante a 10ª Edição da Feira Intersetorial e do Congresso Internacional de Energia Renovável e Sustentabilidade (All About Energy). “Em breve, vamos apresentar ao Conselho Estadual do Meio Ambiente (Coema) novas resoluções para facilitar o licenciamento ambiental para empresas do setor, de todos os portes. O Ceará, que já liderou a produção de energia eólica e solar no Brasil, é hoje o quarto maior. E temos a ousadia de querer voltar a liderar”.

A simplificação, conforme o secretário, vai tornar o Estado mais atrativo para investimentos no setor, visto que deve acelerar a instalação de projetos, por meio de estímulos tributários e diminuição da burocracia, “que ainda é muito grande e desnecessária. Isto quando poderíamos fazer um processo mais ágil e seguro para o licenciamento”, critica.

Investimento estrangeiro

Além das mudanças no licenciamento, o Ceará também pode receber novos investimentos estrangeiros no setor. Segundo o assessor especial de Relações Internacionais do Ceará, Antônio Bahlmann, o Governo mantém negociações avançadas com uma grande empresa europeia - sem nome revelado - para que esta venha instalar sua base de exportação de componentes eólicos na Zona de Processamento de Exportação (ZPE), no Pecém. “Esta negociação está avançada e deve ocorrer na melhora do cenário (político/econômico) brasileiro”. O projeto demandará um investimento de cerca de US$ 200 milhões.

O outra meta é atrair para a ZPE a asiática Chint Group, fabricante de painéis e filmes fotovoltaicos. A empresa é responsável por ativos estimados em US$ 7,1 bilhões.

 

SERVIÇO

 

10º All About Energy

Quando: 5 e 6 de outubro, a partir das 9 horas

Onde: Terminal Marítimo de Passageiros de Fortaleza.

Outras informações: http://bit.ly/2koi7TK

 

Saiba mais

Hoje, a energia eólica é a 2ª principal fonte energética do Ceará, com potência instalada de 1.652 MW, perdendo apenas para a geração termelétrica, de 2.152 MW. São 61 parques eólicos em funcionamento e 22 em construção.

O potencial de eficiência dos ventos para geração de energia eólica no Ceará supera a média mundial com fator de capacidade média de 47,6%, aponta a ABEEólica.

 

LIGIA COSTA

TAGS