PUBLICIDADE
Jornal

Reforma da Previdência terá que ser mais dura

25/07/2017 01:30:00

O secretário de Previdência do Ministério da Fazenda, Marcelo Caetano, alerta que o adiamento da aprovação da reforma da Previdência para o próximo governo exigirá uma “compensação” mais forte do próximo presidente da República para equilibrar as contas públicas.


“A reforma lá na frente vai ter que ser mais forte do que atual. Como a situação lá na frente estará mais crítica, vai ter que compensar fazendo uma reforma mais forte”, afirma.


O Tribunal de Contas da União (TCU) concluiu recentemente uma auditoria nas contas da Previdência e constatou que a tendência de crescimento das despesas com aposentadorias e pensões é preocupante. O diagnóstico do TCU mostra que “a Previdência é um caos de muitas gestões”, disse o ministro do TCU José Mucio Monteiro, que foi relator do processo.


O secretário de Previdência defende a votação do texto aprovado na comissão especial ainda este ano para estancar o crescimento acelerado dos gastos previdenciários. Em 2018, a previsão é que o rombo no INSS alcance R$ 202,2 bilhões.


O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que vai colocar a reforma para votar em agosto. Mas parlamentares admitem nos bastidores que, se a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentar outras denúncias contra o presidente Michel Temer no mesmo mês, não haverá chances de o texto ser aprovado ainda em 2017. Temer também é investigado por organização criminosa e obstrução à Justiça, além de corrupção passiva (crime pelo qual já foi denunciado).


Adriano Nogueira

TAGS