PUBLICIDADE
Jornal

O futuro do Aeroporto de Fortaleza

Empresa alemã inicia obras em diversos segmentos, no começo do próximo ano. São melhorias para aumentar a capacidade de passageiros, gerar conforto e atrair investimentos

29/07/2017 01:30:00
NULL
NULL
[FOTO2]

Pouco mais de quatro meses após arrematar, em leilão, o Aeroporto de Fortaleza, por R$ 1,505 bilhão, a gigante alemã Fraport AG Frankfurt Airport Services assumiu ontem a operação do Pinto Martins. Nos seis primeiros meses, o equipamento vai ser gerido de forma compartilhada: de 28 de julho a 28 de outubro de 2017, a Infraero vai continuar a administrá-lo, contando com a participação da Fraport. Os três meses seguintes, até dezembro, a alemã fica à frente da gestão compartilhada. Apenas em janeiro de 2018 a vencedora do leilão assume sozinha o aeroporto, por um período de 30 anos. E O POVO mostra o que os novos ventos trazem a Fortaleza para este período de concessão.

 

Infraestrutura

A partir do momento em que estiver unicamente à frente do comando do Pinto Martins, a Fraport deverá apresentar à Agência Nacional da Aviação Civil (Anac) o Plano de Gestão da Infraestrutura (PIG), a partir do qual será definida a execução das exigências do edital, incluindo a perspectiva de aumento da capacidade de processamento de passageiros, da pista e do número de pontes de embarque.


Outro ponto a ser definido é o projeto para concluir obra de ampliação no equipamento, inacabada e parada desde 2014. Por meio do plano, a concessionária terá prazo de 26 meses para atender as primeiras exigências. As melhorias previstas vão de ampliação da pista ao monitoramento de malas. 2020 é o tempo limite para entrega das primeiras obras do Aeroporto (Fase I-B) e 2022 para entrega da segunda fase das obras (Fase I-C).


O contrato de concessão ainda determina como diretrizes dos projetos “a eficiência energética da edificação; a minimização dos impactos ambientais; o conforto ambiental; operação ininterrupta, manutenção simplificada e econômica e alta durabilidade”.


Dentre as melhorias externas encabeçadas pela Fraport para o Pinto Martins, a empresa alemã construirá banheiros e fraldários, investirá em iluminação, aumentará a disponibilidade de esteiras, escadas rolantes e correias transportadoras de bagagem. O wi-fi será de alta velocidade e gratuito.

 

Melhorias previstas para o Aeroporto


1 TERMINAL DE PASSAGEIROS

Prazo de 26 meses (Fase I-B): Ampliar a capacidade do aeroporto para, pelo menos, 1,3 mil passageiros domésticos em hora de pico para embarque e 1,38 mil para desembarque. Ampliar a capacidade do aeroporto para, pelo menos, 340 passageiros internacionais na hora de pico durante o embarque e 340 no desembarque. Prazo de 50 meses (Fase I-C): Ampliar a capacidade do aeroporto para, pelo menos, 1,58 mil passageiros domésticos em hora de pico para embarque e 1,68 para desembarque. Ampliar a capacidade do aeroporto para, pelo menos, 410 passageiros internacionais na hora pico durante o embarque e 420 no desembarque. Ao fim da concessão, o aeroporto terá 29,2 milhões de passageiros/ano. Hoje, são 5,6 milhões.

2 BAGAGENS

Prazo de até 26 meses (Fase I-B): A concessionária deverá disponibilizar sistema automatizado de gerenciamento e inspeção de segurança para 100% da bagagem despachada e 100% da carga.

3 PISTA

Prazo até 21 de dezembro de 2020: Ampliação da pista de pouso e decolagem para um comprimento de, pelo menos, 2.755 metros. Hoje, o comprimento é de 2.545 metros.

4 PONTES DE EMBARQUE

Prazo de 26 meses (Fase I-B): Chegar a 12 pontes de embarque e respectivas posições de pátio, com área equivalente à adequada para atender, de forma simultânea e independente, 12 aeronaves. Atualmente são sete. Prazo de 50 meses (Fase I-C): Chegar a 14 pontes de embarque e respectivas posições de pátio com área equivalente à adequada para atender a 14 aeronaves. As estruturas devem estar fisicamente conectadas, com dois ou mais níveis operacionais.

5 PÁTIO

Prazo de 26 meses (Fase I-B): Disponibilizar área para acomodar simultaneamente 17 aeronaves. Hoje são 16. Prazo de 50 meses (Fase I-C): Disponibilizar área para acomodar simultaneamente 21 aeronaves.

6 ESTACIONAMENTO

Ampliar para a capacidade de processamento de passageiros exigida. O contrato não especifica número de vagas. Hoje são 848 (carros) e 78 (motos).

 

Investimento

Ao arrematar o Aeroporto de Fortaleza por R$ 1,505 bilhão, a Fraport se comprometeu a pagar, deste total, R$ 425 milhões na assinatura do contrato. O documento prevê um investimento mínimo de R$ 1,4 bilhão, mas a operadora aeroportuária pretende aplicar, nos próximos anos, de R$ 1,7 bilhão a R$ 2 bilhões na expansão, manutenção, modernização e operação do aeroporto.

 

Nos primeiros dois anos, a Fraport irá investir cerca de R$ 360 milhões em serviços, edificações, infraestrutura básica, pista de táxi aéreo e pátio de aeronaves. A projeção de receita no primeiro ano da concessão é de R$ 175 milhões. Em 2045, projeta-se receita de R$ 736 milhões – divididas em R$ 413 milhões com receitas tarifárias, R$ 274 de receitas não tarifárias (aluguéis de lojas e quiosques, carga de bagagem, locação de escritórios) e R$ 49 milhões com armazenagem e capatazia.


Infraestrutura atual

Conforme dados disponibilizados pela Infraero, a área total do sítio aeroportuário do Aeroporto de Fortaleza hoje é de 5,3 milhões de m², sendo que o terminal de passageiros possui 38,5 mil m². Tendo em vista a movimentação registrada no primeiro semestre de 2017, a média diária de passageiros foi de 15,5 mil, incluindo embarques e desembarques.

 

Embora variável, a média de voos diária é de 110, entre chegadas e partidas. Quanto aos voos internacionais, o aeroporto possui um voo diário com destino a Lisboa e voos semanais para Bogotá, Buenos Aires, Cayena, Frankfurt, Milão, Miami e Praia.


Operam as empresas aéreas Avianca (rotas domésticas e internacionais), Azul (rotas domésticas e internacionais), Gol (rotas domésticas e internacionais), Latam (rotas domésticas e internacionais), Condor (rota internacional), Meridiana (rota internacional), TACV (rota internacional) e TAP (rota internacional). No que diz respeito aos negócios comerciais, hoje o aeroporto conta com 56 quiosques e 48 lojas, entre contratos definitivos e eventuais.


Mercado de trabalho

Ainda não se sabe quantos profissionais a empresa pretende contratar para sua operação em Fortaleza ou quais as primeiras mudanças pretende fazer. Por nota, a Fraport informa apenas que continua "no processo de estabelecer a nova organização no Brasil". “Desta forma, nós não temos informações específicas para apresentar neste momento".

 

No site da Fraport Brasil (http://bit.ly/2tGG1hI), entretanto, já é possível encontrar vagas de empregos para diversas áreas, como Finanças e contabilidade, Recursos Humanos e Treinamento, até operações do aeroporto de Fortaleza. E ainda de Porto Alegre (Salgado Filho), também arrematado no leilão do último dia 16 de março, por R$ 382 milhões.


Conforme O POVO divulgou na última segunda-feira, 24, aproximadamente 200 funcionários da Infraero lotados em Fortaleza estavam sendo disputados por vários órgãos federais no Ceará, incluindo o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs).


Por meio de nota, a Infraero afirma que o aeroporto possui 4264 pessoas trabalhando. Desses, 185 são empregados orgânicos do órgão. Até o momento, 36 aderiram ao Programa de Incentivo à Transferência ou à Aposentadoria (PDITA) e oito aderiram ao programa de Desligamento Incentivado (DIN). Além de sete cedidos a outros órgãos. Não houve, até o momento, deslocamento de empregados para outras cidades.


Gigante alemã

A Fraport é proprietária e operadora do maior aeroporto de Frankfurt, equipamento que recebe mais de 60 milhões de passageiros por ano, oriundos de 250 cidades do mundo. Para atuar no País, o grupo estabeleceu a subsidiária Fraport Brasil. Em edição do O POVO, publicada em 17/3/17, o diretor de comunicação das Câmaras Alemãs Brasil-Alemanha para o Mercosul, Eckart Michael Pohl, disse que, contar com a Fraport e sua expertise na administração do Pinto Martins faz com que “Fortaleza ganhe mais potencial para virar um hub de transporte de passageiros”.

 

No mundo, a alemã está em 10º lugar entre os melhores aeroportos com o terminal. A carteira inclui a administração de 24 aeroportos internacionais, na Eupora, Ásia e América do Sul.


No site Fraport Brasil, a empresa garante que "através de uma estreita cooperação com as comunidades locais", tem em seus planos "promover negócios locais com impacto positivo na economia local, nas áreas vizinhas dos aeroportos".

[FOTO1]

Ligia Costa

TAGS