PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

O limite de Guaidó

05/05/2019 08:54:06
Anti-government protesters clash with security forces during the commemoration of May Day on May 1, 2019 after a day of violent clashes on the streets of the capital spurred by Venezuela's opposition leader Juan Guaido's call on the military to rise up against President Nicolas Maduro. - Guaido called for a massive May Day protest to increase the pressure on President Maduro. (Photo by Matias Delacroix / AFP)
Anti-government protesters clash with security forces during the commemoration of May Day on May 1, 2019 after a day of violent clashes on the streets of the capital spurred by Venezuela's opposition leader Juan Guaido's call on the military to rise up against President Nicolas Maduro. - Guaido called for a massive May Day protest to increase the pressure on President Maduro. (Photo by Matias Delacroix / AFP) (Foto: Matias Delacroix/AFP)

ENVOLTA EM MUITAS DÚVIDAS, a Venezuela firmou nos últimos dias ao menos uma certeza: a crise em que vive o país não se resolverá "de dentro". O fracasso da última investida pela derrubada de Nicolás Maduro, puxada na semana pelo líder opositor Juan Guaidó, mostrou para o mundo a importância fundamental de atores

externos no processo.

Sem a grande mobilização de massas ou apoio militar que anunciava momentos antes de iniciar o movimento de terça-feira, a oposição venezuelana é amparada hoje basicamente no apoio internacional. É uma situação curiosa: Guaidó é reconhecido por mais de 50 países, entre eles quase todas as democracias mais consolidadas do mundo, mas não tem forças nem aliados para tomar de fato esse poder.

Até agora, potências aliadas como Colômbia, Estados Unidos e até o Brasil rejeitam intervenções militares no país. Mesmo assim, o apoio ainda que apenas ideológico em escala global já garante que o movimento para derrubar Maduro irá continuar - o ponto de não retorno já foi cruzado há tempos. É nesse contexto de impasse que a posição dos atores internacionais ganha nova dimensão.

De um lado, a compra de petróleo venezuelano pela Rússia e assessoria de inteligência cubana garantem que Maduro continuará no poder. Do outro, os embargos e pressões americanas garantem que o país seguirá dividido.

Com gente tão grande puxando de ambos os lados, fica ainda mais clara a necessidade de uma transição democrática. Na Síria, país onde o interesse de americanos e russos também se sobrepôs em meio a um conflito interno, os estágios onde era possível uma saída pacífica foram por diversas vezes ignorados. Deu no que deu.

 

Carlos Mazza

TAGS