PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Plantão atende vítimas de violência

00:00 | 14/10/2018

Plantão de apoio a pessoas em situação de sofrimento, em consultório, na avenida Dom Luiz, 609, no bairro Meireles Mauri Melo
Plantão de apoio a pessoas em situação de sofrimento, em consultório, na avenida Dom Luiz, 609, no bairro Meireles Mauri Melo
 

O aumento das violências físicas e simbólicas relacionadas ao processo eleitoral mobilizou grupo de psicanalistas a realizar plantões de escuta ao sujeito em sofrimento. As vigílias acontecem aos sábados, das 9 horas às 17h, na clínica Aletheia, na Aldeota. Não há determinação de valor mínimo para o serviço, que deve ser remunerado na medida das condições de quem recebe o atendimento.

 

Segundo o psicanalista Mauro Reis, um dos responsáveis pela oferta de acolhimento, a iniciativa responde ao aumento da demanda de suporte a pessoas ameaçadas de agressões físicas e simbólicas relacionadas ao processo eleitoral.

 

"A gente escutou uma demanda de amigos sobre pessoas que estão sofrendo o aumento de uma violência direcionada a certas pessoas, a certas discordâncias em relação ao agressor", conta Reis.

 

Entre as formas de manifestação do sofrimento, o grupo de psicanalistas menciona crises de ansiedade e de choro, depressão e ideação suicida. "Diante da possibilidade de concretização de atos de violência para além das palavras, a angústia tem emergido com mais força, as pessoas estão muito fragilizadas," diz a psicanalista Joselene Monteiro, idealizadora dos plantões. Grupos sociais de mulheres e de LGBTs, os mais visados pelo discurso de ódio vigente, são os que mais precisam do atendimento. (Naiana Gomes)

 

Serviço

 

Plantão de apoio a pessoas em sofrimento

 

Data: aos sábados, das 9h às 17h

Local: Clínica Aletheia, na avenida Dom Luiz, 609, sala 606

Informações: Sem valor mínimo. A pessoa que recebe o atendimento pode remunerar o serviço na medida das suas condições.