PUBLICIDADE
Jornal

Lava Jato. Delações e denúncia geram expectativa entre aliados de Temer

10/06/2017 17:00:00
NULL
NULL

Para além da possível debandada do PSDB da base, expectativa do surgimento de novas denúncias e delações contra Michel Temer já amplia a tensão entre aliados do Planalto no Congresso. No centro das preocupações, está expectativa de chegada nos próximos dias de denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente.


Caso o relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Edson Fachin, aceite uma denúncia, Temer passaria a ser réu e poderia ser afastado da linha sucessória da Presidência. Além disso, há expectativa em torno da delação do doleiro Lúcio Funaro, apontado como interlocutor de propinas do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

[FOTO1]

Preso desde julho de 2016, o doleiro teria informado sua defesa que estaria “interessado” em fazer um acordo de delação premiada. Na delação da JBS, Joesley Batista e Temer conversam sobre a “compra do silêncio” de Funaro na Operação Lava Jato.


“A crise não está totalmente resolvida. A cada dia podem surgir fatos novos. Todos estávamos na expectativa desse julgamento do TSE, agora da denúncia da PGR e continua a expectativa das delações, se o Funaro vai delatar, se (o ex-assessor de Temer e suplente de deputado, Rodrigo Rocha) Loures, vai relatar”, diz o líder do PR na Câmara, José Rocha (PR).


Situação do presidente se agravou também nesta semana com a prisão do ex-ministro do Turismo de seu governo, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Agora, são três ex-deputados próximos da alta cúpula do PMDB presos – Alves, Eduardo Cunha e Rocha Loures. Em todos os casos, há perspectiva real de delações envolvendo diretamente o nome de Temer.


O líder do PSD na Câmara, Marcos Montes (MG), avalia que uma absolvição de Temer pelo TSE construirá sobre ele uma “força relativa” de sustentação que pode mantê-lo no governo. “Ele vai ficar na corda bamba, mas vai se equilibrar” diz o deputado.


O deputado mineiro prevê que dois fatos podem “afinar” a corda: o desembarque do PSDB do governo e possíveis delações “bombásticas”. “São alternativas que deixariam ele bambeando numa corda bem fina”, disse. (com Agência Estado)

 

NÚMEROS


342

votos de deputados federais são necessários para que uma possível denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer tenha entrada na Casa. O STF autorizou inquérito contra o presidente após delações da JBS.

 

Adriano Nogueira

TAGS