PUBLICIDADE
Jornal

Investigação da Abin. Presidente do STF reage

10/06/2017 21:30:00


A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, afirmou ontem, por meio de nota, que “é inadmissível” a possibilidade de um ministro da Corte ter sido alvo de investigação da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). “É inadmissível a prática de gravíssimo crime contra o Supremo Tribunal Federal, contra a Democracia e contra as liberdades, se confirmada informação de devassa ilegal da vida de um de seus integrantes”, afirma a ministra.

 

A nota é uma uma reação à reportagem publicada na edição da
revista Veja deste fim de semana, que relata que o presidente Michel Temer teria acionado a Abin para investigar a vida do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF.

 

“Própria de ditaduras, como é esta prática, contrária à vida livre de toda pessoa, mais gravosa é ela se voltada contra a responsável atuação de um juiz, sendo absolutamente inaceitável numa República Democrática, pelo que tem de ser civicamente repelida, penalmente apurada e os responsáveis exemplarmente processados e condenados na forma da legislação vigente”, diz a ministra.
(das agências)

 

Adriano Nogueira

TAGS