PUBLICIDADE
Jornal

Ponto de vista. A defesa de Temer foi o ataque

20/05/2017 17:00:00


Depois de três dias acuado, o presidente Michel Temer (PMDB) mudou de estratégia. Seu pronunciamento na tarde deste sábado não foi de defesa, mas de ataque. Contra a gravação “clandestina”, “manipulada”, “adulterada com objetivos nitidamente subterrâneos”. Sobretudo, contra o dono da JBS, Joesley Batista, “livre e solto”, sem ser preso nem julgado pelos crimes que confessou, além de ter especulado contra a moeda nacional.

 

O presidente reafirmou pela segunda vez em 48 horas que não renunciará, mas admitiu os dias de incerteza que o País atravessa. Percebeu que desqualificar o denunciante e as provas é sua única chance.

 

O complicador para ele é a intimidade revelada na comunicação cifrada com alguém que ataca de forma tão virulenta.

 

A estratégia agressiva de defesa lembra um pouco a postura de Dilma Rousseff. Deu no que deu.

 

Por Érico Firmo
Editor de Cotidiano e colunista de Política

Adriano Nogueira

TAGS