PUBLICIDADE
Jornal

Confronto de ideias. Como estratégia para reduzir acidentes de trânsito, algumas vias da Capital passarão a ter limite de velocidade reduzida. Essas medidas vão contribuir para a diminuição no número de acidentes nas vias de Fortaleza?

13/05/2017 17:00:00

 

Sim

 

Mário Azevedo
azevedo@ufc.br
Professor do Departamento de Engenharia de Transportes da UFC


No mundo de hoje, no qual as pessoas vivem correndo, não têm tempo para nada, aparece alguém para estabelecer limites mais baixos de velocidade? Como pode? Pode e deve ser assim. A principal razão para isso é a melhoria das condições de segurança. Com velocidades mais baixas, os motoristas terão mais tempo para reagir a uma situação de emergência e evitar uma colisão com outro veículo ou um atropelamento. O espaço necessário para frenagem é bem menor e, em caso de “acidente”, os impactos serão menos graves.


Coloquei acidente entre aspas na sentença anterior porque é estranho chamar acidente um evento que pode ser previsto. Não consigo prever exatamente o instante ou local em que irá acontecer, mas posso ter uma boa ideia do tipo e quantidade que irá acontecer, a partir de modelos matemáticos que levam em conta a observação do fenômeno. Dentre os principais fatores que levam à ocorrência de “acidentes”, estão o fluxo de veículos e a velocidade de deslocamento. Existem estudos e experiências de outras cidades, do Brasil e do resto do mundo, que mostram o efeito da alta velocidade no aumento do número e da gravidade das ocorrências.


A Prefeitura de Fortaleza está propondo a regulamentação da velocidade máxima, em algumas vias, em 40 km/h. Isso tem gerado alguma polêmica meio sem sentido. Boa parte das vias escolhidas é classificada na categoria de coletoras que, por determinação do próprio Código de Trânsito Brasileiro, devem ter este limite. Voltando à pressa das pessoas, o limite 40 km/h nessas vias não vai ter quase nenhum efeito no tempo de viagem completa. Talvez o efeito seja o contrário.


Estas vias passarão a ter um fluxo de veículos mais “organizado”, o que pode resultar em uma velocidade média maior no trecho. A não ser que o motorista seja maluco; dirigir em alta velocidade implica deixar espaços maiores entre os veículos e, assim, cabem menos veículos nas vias. 

 

Não

 

Rogério P. Leal
rogerioleal.adv@gmail.com
Advogado criminalista, gestor em Segurança de Trânsito, professor, mestre em Direito e palestrante


A questão de reduzir a velocidade nas avenidas da Capital não terá como o único propósito, evitar acidentes. A experiência já demonstrou que, primeiro, a desatenção na direção do veículo, o uso de celular, multimídia e outros equipamentos têm tirado dos nossos motoristas a devida preocupação com o trânsito. Por quantas vezes deparamos com motoristas parados ou dirigindo utilizando o celular, inclusive, motociclistas, numa aventura total?


Segundo, o estresse, a cada dia o trânsito está mais tenso, o que acarreta no motorista a pressa, os atalhos, as infrações, as discussões, e o desrespeito com a sinalização de trânsito, que, muitas das vezes em baixa velocidade, o motorista passa pelo semáforo vermelho ou usa a pista exclusiva dos ônibus. De modo que qual a pesquisa realizada que apontou a velocidade como causa principal dos acidentes nas vias de Fortaleza?


Fora os pontos elencados, a imprudência, a imperícia e a negligência são outros fatores, tornando um conjunto de causas e consequências. O Estado tem o seu papel de assegurar um bom transporte público, de viabilizar alternativas de tráfego; o cidadão cearense merece esse tratamento. Ademais, a conscientização, a formação e a educação são atitudes simples com reflexos duradouros, que comece com os jovens a partir dos 16 anos, que sonham em dirigir, que esse veículo seja verdadeiramente um instrumento de transporte, que deve ser usado em respeito com a sociedade.


Por outro lado, a redução da velocidade nas avenidas de Fortaleza pode ter um caráter de arrecadação de multas, o que vai na contramão da tentativa de minimizar o caos do trânsito. Não resta dúvida de que a punição em forma de multa vai buscar conscientizar o motorista velocista, porém os demais fatores causadores dos acidentes já apontados. Com respeito aos que pensam diferente, a redução da velocidade não vai reduzir em nada os acidentes nas vias de Fortaleza; ao contrário, mais congestionamentos e mais arrecadação pro Estado. 

TAGS