PUBLICIDADE
Jornal
Orla

Apesar de mau cheiro, fiscalização não constata poluição na Beira Mar

| Orla | Após chuvas do fim de semana, pontos da praia não apresentavam muito lixo acumulado. Porém, há esgoto aberto na via

FORTALEZA, CE, BRASIL, 25.02.2019: Obras na Av. Beira-mar expõe esgoto e provoca mal cheiro.  (Fotos: Fábio Lima/O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 25.02.2019: Obras na Av. Beira-mar expõe esgoto e provoca mal cheiro. (Fotos: Fábio Lima/O POVO)

A água da Beira Mar estava visualmente limpa na manhã de ontem, após fim de semana de chuvas intensas. Durante chuvas da semana passada, chamou a atenção a imagem do lixo sendo carregado para o mar, escoado das ruas por meio das galerias que desembocam na orla. Nesses locais onde ocorre o despejo, sobretudo nas proximidades do riacho Maceió, próximo ao Parque Bisão, é comum haver mau cheiro, que incomoda quem passa pelo local.

Na galeria próxima ao riacho Maceió era possível perceber odor desagradável, apesar de não haver muito lixo acumulado na manhã de ontem. As obras na avenida Beira Mar agravam o mau cheiro devido à presença de esgoto aberto. Ontem à tarde, um caminhão, que carregava insumos da reforma do local, chegou a tombar ao cair dentro de buraco ocasionado por rompimento de cano da rede de saneamento.

Sobre as suspeitas de poluição, o gerente de plantões e atividades superficiais da Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis), Reginaldo Araújo, afirma que foram enviadas equipes do órgão e da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) na semana passada devido a relatos de mau cheiro e mudança da cor da água na Beira Mar. Segundo ele, não foi constatada nenhuma irregularidade, como esgotos indevidos. Ele pontua que muito da poluição hídrica é advinda do lixo nas ruas. "Quando tem período de chuvas mais intensas, acaba por carregar o que está nas ruas e essa água vai para as galerias. Esse mau cheiro foi constatado próximo às galerias, mas trata-se apenas da água da própria chuva".

O boletim semanal de balneabilidade mais recente divulgado pela Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) classifica o trecho da praia como próprio para banho, apesar de ocorrências de manchas no mar.

A impressão, porém, é outra. O ambulante Alberto Feitosa, que trabalha vendendo água próximo à galeria, conta que nunca viu ações de limpeza no local, apesar dos sinais de sujeira. "Às vezes, quando chove muito polui, mas quando não chove é tranquilo". A aposentada Magda Soares, 75, costuma tomar banho na Beira Mar, mas nunca naquele trecho. "Lembrei porque vi na televisão falando desse esgoto aí, digo 'não, não vou me sentar aqui não, vou voltar para lá' (sentido Praia de Iracema)".

No Mercado dos Peixes, não havia mau odor ontem. O representante comercial Fagner Nascimento, 30, diz que visita o ponto semanalmente e o ambiente não costuma ser aquele. "Sempre tem fedor, incomoda todo mundo".

Conforme a Agefis, são feitas rotineiramente ações de combate à poluição hídrica na orla da Beira Mar. Em 2018, foram 3.162 fiscalizações do tipo em toda a Cidade, resultando em 1.116 autuações/notificações.

Com relação ao riacho Maceió, a Agefis informa, em nota, que Regional 2 e Secretaria de Conservação e Serviços Públicos (SCSP) realizam limpeza periódica. "Em dezembro de 2018, para a execução dos serviços de limpeza, foi providenciada uma retroescavadeira e escalada uma equipe composta por 90 agentes que trabalharam, de forma manual, nas margens e no leito do manancial, recolhendo entulhos, resíduos sólidos, capinação, reparos e desobstrução do assoreamento, a fim de minimizar os riscos de alagamento e melhorar a qualidade de vida dos moradores".

 

HELOISA VASCONCELOS