PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Mesmo degradados, espigões na Beira Mar resistem como espaços de lazer

Mesmo com reclamações sobre falta de manutenção, espigões da avenida Beira Mar são frequentados como alternativa para passear, namorar ou admirar a paisagem

01:30 | 13/01/2018
Espigão da Rua João Cordeiro tem pichações e danos no revestimento AURÉLIO ALVES/ESPECIAL PARA O POVO
Espigão da Rua João Cordeiro tem pichações e danos no revestimento AURÉLIO ALVES/ESPECIAL PARA O POVO

 

O casal estava num chamego sem fim no espigão da Rua João Cordeiro, na avenida Beira Mar. Pouco se importava com a sujeira no chão, com as pichações ao longo de todo o guarda-corpo ou com a falta de alguns blocos de cimento no piso. De férias, os estudantes Gabrielle de Freitas e João Lucas de Miranda, ambos de 15 anos, aproveitavam o mirante.

“Não tem vista mais linda. Mas a Prefeitura não cuida e fica desse jeito. Aí não tem beleza da natureza que resolva”, reclama Gabrielle. Eles atravessaram a Cidade, saíram do Siqueira e do Canindezinho, respectivamente, para namorar na orla. Chegando ao destino, a decepção só não foi maior porque a vista compensou. Os três quebra-mares, da João Cordeiro, Rui Barbosa e do Náutico, estão com guarda-corpos repletos de pichações, lixo no passeio e odor de fezes e urina.

Esses espaços estão previstos para receber equipamentos, em iniciativas de parceria público-privada: no espigão da João Cordeiro, uma roda-gigante; no da Rui Barbosa, um heliponto; no do Náutico, um píer para embarcações. O lançamento dos editais pela Prefeitura, que tem a gestão da orla, deve ocorrer ainda no primeiro semestre deste ano. Os parceiros privados é que serão responsáveis pela manutenção das áreas cedidas.

Enquanto as intervenções não chegam, frequentadores lamentam os problemas. Natália Capistrano, 32, sente falta do cuidado e também de agentes de segurança no espigão da João Cordeiro. A professora de dança passeia com o buldogue Charlie pelo menos uma vez por semana, mas sempre prevenida: nunca leva o celular. “Moro a duas quadras daqui e é muito triste isso de você se sentir insegura no seu bairro”.

Mesmo com esses problemas, Tielly Mendonça, 24, não se intimida. A universitária mora do Demócrito Rocha e vai até o espigão da Rui Barbosa, pelo menos uma vez por semana, para admirar o pôr do sol. “Não tem canto nessa Cidade tão lindo quanto a vista daqui. Ela acalma e enche a gente de paz”. Garrafas PET, ponta de cigarro e embalagem de quentinha ocupam o piso do quebra-mar.

Em nota, a Secretaria Regional 2 informou que realiza, de forma contínua, manutenção e ordenamento urbano da área. Diariamente, são realizadas varrição e remoção de resíduos sólidos em toda a extensão dos calçadões, incluindo os espigões. Na segurança, equipes da Inspetoria de Ciclopatrulhamento da Guarda Municipal realizam rondas das 6h às 22 horas.

A Regional 2 ressalta ainda a importância da população denunciar casos de vandalismo.

 

Serviço

 

Projeto Sacode Verão

Quando: hoje, 13, e amanha, 14

Onde: espigão do Náutico (avenida Beira Mar, 1681 - Praia de Iracema)

Entrada franca.

Programação: bit.ly/sacodeverao

 

ANGéLICA FEITOSA