PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

AMC bloqueia trecho da Borges de Melo e abre novos desvios

A alteração de tráfego, nas proximidades da Rodoviária, deve durar 15 dias e serve para viabilizar a construção da passagem inferior do túnel que compõe as obras do ramal Parangaba-Mucuripe do VLT

01:30 | 12/01/2018

Atualizada às 09:27

 

Uma das possibilidades do desvio na Borges de Melo é seguir na pista de sentido oposto. Trecho deve ficar bloqueado por duas semanas EVILÁZIO BEZERRA
Uma das possibilidades do desvio na Borges de Melo é seguir na pista de sentido oposto. Trecho deve ficar bloqueado por duas semanas EVILÁZIO BEZERRA

 

A avenida Borges de Melo, no trecho entre as ruas Bartolomeu de Gusmão e Tertuliano Sales, próximo à Rodoviária, está bloqueada desde a tarde de ontem, 11. A interdição feita pela Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) tem duração de 15 dias e é necessária para viabilizar a construção da passagem inferior do túnel da avenida — que integra as obras do ramal Parangaba-Mucuripe do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) de Fortaleza.

Com o desvio, condutores que trafegam pela rua Bartolomeu de Gusmão na intenção de convergir à direita na Borges de Melo devem seguir em frente alguns metros até continuar o fluxo de tráfego pela alça do túnel, passando em frente ao supermercado G Barbosa, na contramão da avenida. Outra opção é seguir em frente, dobrar à direita na rua Francisco Lorda e à direita novamente na rua Tertuliano Sales, até voltar para a Borges de Melo (veja o mapa).

A construção da passagem inferior do túnel está 91% concluída, segundo a Secretaria da Infraestrutura do Ceará (Seinfra), com previsão de entrega para março.

Miguel Guimarães, coordenador de Planejamento da Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor), afirmou que as dez linhas de ônibus que passam diariamente por esse trecho devem seguir pela alternativa da alça do túnel. Segundo o gestor, essas linhas equivalem a 111 ônibus, o que deve afetar em torno de 51 mil passageiros por dia.

O único ponto de parada de ônibus que ficou comprometido devido ao bloqueio ainda não foi readequado. Será hoje, segundo Guimarães.

“Vou ao local verificar um ponto de parada provisório mais próximo, para que o usuário não precise caminhar muito pra apanhar essas linhas”, garantiu o coordenador.

Início do bloqueio

Assim que os cones de trânsito foram retirados e os veículos que seguiam pela rua Bartolomeu de Gusmão foram orientados a seguir em frente e não mais dobrar à direita direto na Borges de Melo, houve quem, de primeira, aproveitasse a liberação da alça do túnel para prosseguir viagem e quem, confuso, parasse para tirar a dúvida com os agentes da AMC. Até aquele momento, a orientação era para que os veículos maiores, como caminhões e ônibus, seguissem em frente, e os menores, como carros e motocicletas, transitassem pela alça da avenida. Contudo, constatando que os ônibus conseguiam passar tranquilamente pela segunda alternativa, os operadores da AMC e da Etufor decidiram liberar o caminho para todos.

O radiologista Felipe Kayatt, 28, pilotava uma motocicleta quando parou para conversar com O POVO. Ele mora pela região e disse que, desde o período da Copa do Mundo de 2014, quando já deveria estar em funcionamento aquele trecho do VLT, o trânsito na Borges de Melo está tomado por obstáculos devido às constantes paralisações da obra. O asfalto, segundo Felipe, “sempre foi ruim, esburacado. Nos últimos três meses é que começaram a passar trator e água para melhorar o aspecto”. O POVO observou que, após o bloqueio, quando os veículos retornam para a avenida Borges de Melo no sentido Base Aérea-Rodoviária, há um trecho da via coberto por terra e completamente desnivelado.

Disraeli Brasil, gerente de operações e fiscalizações da AMC, comentou que as obras contemplam a repavimentação do entorno.

 

 

LUANA SEVERO