VERSÃO IMPRESSA

Trânsito na região da Via Expressa passa por mudanças para obra

01:30 | 15/12/2017

O trecho da avenida Engenheiro Alberto Sá entre as avenidas Engenheiro Santana Júnior e Almirante Henrique Saboia, conhecida como Via Expressa, será interditado hoje. Durante aproximadamente dez meses, o acesso local será possível apenas por desvios. O bloqueio faz parte de uma série de modificações no trânsito do Papicu para a construção de um túnel na Via Expressa. Nesta semana, já houve alteração do sentido das ruas Professor Sila Ribeiro e Eduardo Sabóia, além da implantação de sentido único na rua Paulo Moraes e de três novos semáforos na região.


Segundo o chefe de operações da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC), Disraeli Brasil, as mudanças são temporárias até outubro do próximo ano, quando, segundo a Secretaria Municipal da Infraestrutura (Seinf), as obras do túnel serão concluídas. O objetivo da intervenção é dar maior fluidez ao trânsito, evitando o cruzamento entre a Via Expressa e a avenida Engenheiro Alberto Sá. “É para tornar a Via Expressa realmente expressa, sem nenhum conflito”, explica.

[QUOTE1]

Devido às mudanças, 29 linhas de ônibus terão alguma alteração de percurso. Um dos semáforos instalados ontem, na rua Desembargador Lauro Nogueira com avenida Engenheiro Santana Júnior, permitirá o acesso direto ao Terminal do Papicu. Para o motorista da linha 825 - Cidade Funcionários/Papicu/Jardim das Oliveiras, José Gomes, a mudança traz pontos positivos. “A gente ganha mais tempo, tanto para a gente motorista, quanto para os usuários”, afirma.


A alteração do sentido das ruas Professor Sila Ribeiro e Eduardo Sabóia, na terça-feira, 12, gerou confusão para motoristas. “Eu fui pego de surpresa, porque eu não sabia da alteração”, relata o atendente de call center, Igor Lima.


A implantação de semáforo na rua Eduardo Sabóia com avenida Engenheiro Santana Júnior e a alteração da programação no semáforo da rua Professor Sila Ribeiro com a mesma avenida facilitou a travessia de pedestres. “Antes tinha que prestar atenção tanto nos carros que saíam do supermercado, quanto nos da rua. Tinha que passar correndo”, lembra a estudante Ennia Alves, moradora da região.

ADRIANO NOGUEIRA

TAGS