VERSÃO IMPRESSA

Grupo usava mais de 40 cartões de Bilhete Único em fraude no Centro

Devido às constantes fraudes no sistema, Sindiônibus contabiliza prejuízo de mais de R$ 800 mil por mês. Grupo preso atuava no Centro de Fortaleza

01:30 | 15/12/2017

[FOTO1] 

 

Quarenta e três cartões do Bilhete Único estavam sendo utilizados ilegalmente por quatro homens presos na última quarta-feira, 13, no Centro, acusados de estelionato. Adriano Gomes de Lima, 24, Luiz Cláudio da Silva Rodrigues, 32, Marcos Micael Ribeiro Lima, 22, e Pablo Natanael Ferreira de Sousa, sem idade identificada pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), foram flagrados pela Polícia Civil no momento em que vendiam passagens dentro de um ônibus na avenida Tristão Gonçalves. Enquanto as investigações buscam outros envolvidos, eles permanecem detidos no 34º Distrito Policial.

[FOTO2]

A Polícia foi informada sobre a prática criminosa por passageiros e operadores de ônibus, mas o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Ceará (Sindiônibus) afirmou que as fraudes são detectadas constantemente por meio de sistema de controle biométrico. Com monitoramento por imagem, só nos meses de agosto, setembro e outubro, o órgão chegou a bloquear, em média, 2.283 unidades de Bilhete Único usadas indevidamente.


Passageiros, “no lugar de pagar R$ 3,20 (por passagem), pagam R$ 2,50. Acham vantajoso”, explicou o superintendente técnico de Vale-Transporte do Sindiônibus, Paulo César Vieira. O gestor revelou que “bilheteiros” costumam vender cerca de 30 a 40 passagens por dia em locais como a praça Coração de Jesus e a Praça da Estação, no Centro, e que o prejuízo para o órgão é estimado em R$ 876.672 por mês. Se não houvesse o controle biométrico, segundo ele, o sistema de transporte público já estaria à beira do colapso financeiro.


“Os métodos usados (pelos criminosos) são bastante hostis. A Secretaria (da Segurança Pública e Defesa Social) tem nos apoiado, mas, na verdade, a coisa ‘serena’ por um mês e no outro já está acontecendo tudo de novo”, lamenta Vieira. Nesse caso, ele sugere à pasta estadual construir políticas públicas regulares de combate a esse tipo de prática.

 

Como ocorre a fraude


Instituído em Fortaleza em 2013, o Bilhete Único garante o livre embarque em transportes coletivos da Capital até duas horas após o pagamento da tarifa. Aproveitando-se da franquia, fraudadores ficam de sentinela em terminais de ônibus e oferecem passar os “próprios” cartões para os passageiros por um valor mais barato. Quando garantem a passagem dos clientes, descem e retomam a prática.


Só que, dentro dos ônibus, há uma câmera em cima do validador da passagem que captura seis imagens do passageiro no momento em que ele atravessa a catraca. “Na madrugada, os dados são processados. As fotos são comparadas às do banco de dados. Além disso, um grupo de pessoas fica fazendo a revisão da comparação dessas fotos”, revelou Vieira. Em agosto, setembro e outubro deste ano, a média de imagens inspecionadas pelo Sindiônibus ultrapassou 1 milhão.

 

Saiba mais


Antecedentes criminais

 

Dois dos homens presos no Centro de Fortaleza, na última quarta-feira, 14, acusados de estelionato, tinham antecedentes criminais.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), Adriano Gomes de Lima, de 24 anos, já foi preso por homicídio e tráfico de drogas e Luiz Cláudio da Silva Rodrigues, de 32 anos, teve passagens na Polícia por tráfico de drogas, estupro, crime contra a administração pública e ameaça.

 

LUANA SEVERO

TAGS