PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Vias alternativas tentam desafogar Washington Soares

Vias alternativas foram estruturadas, mas trânsito na Washington Soares é intenso e com pontos complicados

01:30 | 19/10/2017
A rua Pinto Bandeira é uma das vias do entorno que foram estruturadas como alternativa FABIO LIMA
A rua Pinto Bandeira é uma das vias do entorno que foram estruturadas como alternativa FABIO LIMA

 

Mesmo após requalificação de vias alternativas, a avenida Washington Soares, permanece com o maior volume de tráfego da Capital. São, em média, 90 mil veículos por dia. Desde o início de 2016, a Prefeitura de Fortaleza busca descentralizar o fluxo por vias próximas.

 

Para dar outra opção aos motoristas, no Guararapes, as avenidas Coronel Miguel Dias e Pinto Bandeira foram interligadas, com novo trecho. Assim, foi viabilizado outro acesso entre o Cocó e a Cidade dos Funcionários, por onde passam, em média, 23 mil veículos diariamente. “Foi necessário recapeamento, implantação de semáforos e melhoria de conflitos. Tivemos o cuidado de colocar novos elementos na via auxiliar para garantir a alternativa”, diz Arcelino Lima, superintendente da Autarquia Municipal de Trânsito (AMC).

O estudante Matheus Lima, 19, que mora próximo à região, elogia as alternativas. “Melhorou bastante porque ajudou a descongestionar a Washington”, elogia.

Mas ainda tem quem reclame do trânsito na avenida, de responsabilidade estadual. “Tem muito engarrafamento, não só por causa do excesso de carros, por culpa dos motoristas também”, opina o taxista Francisco Morais, 60. Para ele, falta de fiscalização.

Júlio Cavalcanti, diretor do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), diz, porém, que “não há problemas ali, o trânsito flui. Só ‘engargala’ nos trechos de jurisdição da AMC, onde as ruas são estreitas e o fluxo é grande”. Segundo ele, são mantidas três equipes da Polícia Rodoviária Estadual, diariamente, do início da via até o Anel Viário. “Na região de escolas, no cruzamento com a avenida Edilson Brasil Soares, tem muita parada em fila dupla. A gente notifica, mas não tem jeito”, completa Júlio.

Já a AMC vê melhorias na região. “As ruas alternativas passaram a ser mais carregadas. A coordenação semafórica é muito favorável para garantir fluidez”, defende Arcelino.

Há novas promessas para o trânsito na área no próximo ano. Via alternativa do lado leste, também adensado, deve envolver a continuação da avenida Crisanto Moreira da Rocha e a avenida Corrêa Lima, ao lado da Lagoa do Colosso. Projeto da Prefeitura também prevê prioridade ao transporte coletivo na Washington Soares.

Cambeba

A avenida Crisanto Moreira da Rocha, perpendicular à Washington Soares, passou por alargamento com novos asfalto, sinalização e ciclofaixa. Mas o acesso entre Cidade dos Funcionários e Cambeba parece ainda pouco conhecido. Mesmo em horário de pico, a via tem baixo fluxo, com pouco mais de 13 mil veículos/dia. (colaborou Igor Cavalcante)

LUCAS BRAGA