PUBLICIDADE
Jornal

Sistema de filas para cirurgias eletivas é ampliado

17/10/2017 01:30:00
O sistema que organiza e procura dar uma maior transparência às filas para cirurgias eletivas em Fortaleza foi ampliado. Lançado em maio deste ano com foco nos procedimentos traumato-ortopédicos, o Sistema Integrado Cirurgias (SIC) agora foi expandido para urologia e otorrinolaringologia. O anúncio foi feito na tarde de ontem no prédio da Justiça Federal, no Centro, que atua como parceira da iniciativa junto com secretarias municipal e estadual da Saúde, Ministério Público Federal e Defensoria Pública da União e do Estado.

 

A participação de órgãos do Judiciário é explicada porque a plataforma digital fica disponível para magistrados, além de pacientes e profissionais de saúde envolvidos nos procedimentos. Isso porque o SIC também tem como intuito auxiliar juízes a terem mais conhecimento sobre os processos de antecipação das cirurgias que chegam a eles.


“As decisões judiciais vinham no sentido de fazer a cirurgia imediatamente. E o Judiciário não tinha como ter uma visão global. No momento que dou a ordem para fazer as cirurgias, posso saber quais pessoas estou preterindo, deixando de fazer a cirurgia por causa da minha ordem”, explica a juíza federal Cíntia Brunetta.


De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, 1.600 pessoas aguardam na fila para procedimentos em urologia e outras 1.000 para otorrinolaringologia. As cirurgias traumato-ortopédicas são as que têm uma maior demanda de espera, com cerca de 3.200 pessoas, 60% delas em Fortaleza.


“Se resgatarmos como era antes, cada médico tinha sua fila de uma maneira muito precária de anotação. Muitas vezes em cadernetas, sem o conhecimento muito claro de quem era o próximo da fila. A unificação da fila gerou uma organização maior”, afirma Mozart Rolim, gerente da Central de Regulação de Fortaleza. Ele complementa que as próximas especialidades a terem suas demandas de fila unificadas serão: cirurgias de mastologia, de cabeça e pescoço, coloproctologia, vascular e geral.

Adriano Nogueira

TAGS
NULL