PUBLICIDADE
Jornal

Seis pessoas presas na Comunidade do Dendê após mandado coletivo

Mandado coletivo de busca e apreensão permitiu que a Polícia revistasse cerca de 300 imóveis na comunidade

06/10/2017 01:30:00
NULL
NULL

[FOTO1]

 

Cerca de 300 imóveis da Comunidade do Dendê, no bairro Edson Queiroz, foram revistados por policiais durante a operação Justa. A ação, que ocorreu ontem e reuniu cerca de 300 profissionais de segurança, derivou de investigações de inteligência que apontaram a região como espaço de conflito entre facções criminosas. A operação prendeu seis pessoas e apreendeu 20 gramas de maconha, uma arma e munições. Foi o primeiro mandado coletivo de busca e apreensão cumprido em Fortaleza em 2017.

 

As intervenções policiais em comunidades do bairro devem continuar, considerando a incidência criminal do local. Se considerarmos os meses de janeiro a agosto de 2016 e 2017, no bairro, houve aumento de 158% nas apreensões de armas (de 12 para 31), de 3.000% na apreensão de droga (de 1,29kg para 33,98 kg) e de 27,3% nos autos de prisões e apreensões (de 106 para 125).


“A investigação apontou que os criminosos se aproveitam dos cidadãos, os obrigando a auxiliar a criminalidade, guardando drogas, armas de fogo, bem como objetos”, afirmou o titular da Coordenadoria de Planejamento Operacional (Copol) da Secretaria de Segurança Pública (SSPDS), Fernando Menezes. Para ele, uma operação como a Justa possibilita a entrada da Polícia em áreas onde há intenso conflito e domínio de facções que comandam o tráfico de drogas. Quatro dos presos — que estavam de posse de um revólver calibre 38 — foram localizados uma hora após o fim da operação. “Quando o Estado entra com grande efetivo, as denúncias começam a surgir de forma mais intensa”, detalhou Fernando.


O advogado e professor de Direito da Universidade de Fortaleza (Unifor), Laécio Noronha Xavier, afirmou que o mandado coletivo é válido, mas precisa ser executado em situações de maior porte. “O Dendê não faz importação de droga, é um bairro que recebe droga. A Justiça está extremada. Chega o poder público dizendo que tem situação de tráfico e a Justiça tem de conceder (o mandado), porque ela pode colocar em perigo a ordem pública. Mas o resultado é pífio, porque não tem continuidade”, analisou.


O POVO solicitou informações sobre o mandado coletivo. O Tribunal de Justiça do Ceará afirmou, em nota, que não forneceria detalhes para não atrapalhar as investigações.

 

Operação


Em rede social, o titular da SSPDS, André Costa, destacou que a Segurança Pública “vem mostrando força”. “Infelizmente, esse sentimento de impunidade está presente não só na bandidagem, mas também já atinge cidadãos de bem e isso dificulta o trabalho da polícia. Mas venho aqui, perante vocês, para pedir que continuem nos apoiando, precisamos da participação do cidadão de bem, sem vocês não venceremos. Nem que tenhamos que prender as mesmas pessoas sempre, não vamos baixar a cabeça nem desistir”, finalizou.

 

A operação foi continuidade de ações realizadas em setembro, que culminaram na apreensão de sete armas de fogo (entre elas uma metralhadora e uma espingarda calibre 12). Ontem, foram usados na operação dois barcos do Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA) para evitar fugas pelo rio Cocó e um helicóptero da Ciopaer.

TAGS
NULL