PUBLICIDADE
Jornal

Homicídios mais que dobraram no Vicente Pinzon

11/10/2017 01:30:00
 

O reforço da Segurança Pública no Vicente Pinzon, a partir de março de 2016, foi insuficiente para frear o aumento dos homicídios. Lá foi implantada a primeira Unidade Integrada de Segurança (Uniseg) da Capital. Conforme dados da Secretaria Municipal da Saúde,de janeiro a agosto de 2016, houve 14 mortes na área. Neste ano, foram 30 homicídios no mesmo período. Crescimento de 114,3%.


Parte do Pacto por um Ceará Pacífico, as Unisegs atendem áreas com altos índices de violência. O efetivo policial é aumentado, os equipamentos são modernizados e o atendimento social é intensificado. Titular da SSPDS, André Costa admitiu, em entrevista ao O POVO, publicada ontem, que os dados aumentaram na região, mas poderia ser pior. “Quando você observa o crescimento dos homicídios na Capital, entre as AISs, é aquela que apresenta o melhor — ou menos pior — resultado. É onde tem crescido bem menos que as outras áreas”, defendeu.


Em julho deste ano, bairros no entorno do Conjunto Ceará passaram a ser assistidos pela Uniseg 3. Nesses locais, também houve aumento no número de crimes. Aldeota e Praia de Iracema são atendidas pela Uniseg 2. O foco na área, porém, são os roubos.


Para Leonardo Sá, sociólogo e pesquisador do Laboratório de Estudos da Violência da Universidade Federal do Ceará, o Estado ainda carece de política efetiva de segurança pública. “Há apenas trabalho para responder às demandas com um produtivismo que gera alguns resultados muito parciais e frágeis. Política não é atuar no imediatismo. Política se faz com pensamento estratégico, com visão de mundo, de sociedade, de políticas intersetoriais, de integração e, sobretudo, participação da sociedade civil”. (Igor Cavalcante)


Adriano Nogueira

TAGS
NULL