VERSÃO IMPRESSA

Criminosos tentam resgatar presos em delegacia e presídio na RMF

Foram três ataques a presídio e pelo menos um contra delegacia em menos de uma semana, na Região Metropolitana de Fortaleza

01:30 | 21/10/2017
O 24º Distrito Policial, em Pacatuba, e a Casa de Privação Provisória de Liberdade (CPPL) II, em Itaitinga, foram atacados em tentativas de resgate. Já em Fortaleza, a agência do Banco Bradesco na avenida Aguanambi sofreu uma tentativa de arrombamento. Não há informações se há ligação entre as ações, registradas entre a noite da última quinta-feira, 19, e a madrugada de ontem. Foi a terceira ação do tipo na CPPL II em menos de uma semana.

 

De acordo com o presidente do Sindicato da Polícia Civil (Sinpol), Francisco Lucas, um policial civil, sozinho, custodiava sete presos quando aconteceu a tentativa de resgate no 24º DP. O policial foi avisado à tarde que havia o risco de ataque. O sindicato alega que o inspetor avisou a delegada titular da Pacatuba sobre a ameaça e que a informação foi repassada ao Departamento de Polícia Metropolitana. No entanto, nada foi feito.


Conforme o dirigente, para o ataque, o grupo armado estava com coletes balísticos, e um suspeito foi preso. Ele foi recolhido na mesma delegacia onde houve o resgate. “O supervisor de plantão não compareceu ao local, estou sozinho e já é quase meio-dia. Ninguém da Delegacia Geral veio saber como estava o policial ou fez uma visita a delegacia para verificar a situação dos presos”, reclama.


Pelo Facebook, Francisco Lucas mostrou a estrutura da delegacia e coletes balísticos fora do prazo de validade.


Itaitinga


Na CPPL II, a tentativa de resgate foi a terceira em menos de uma semana. Segundo o presidente do Conselho Penitenciário, Cláudio Justa, houve um ataque no sábado, 14, um segundo ataque na quarta-feira, 18, e outro na madrugada de ontem. Justa afirma que foi necessário o procedimento de vistoria e contagem dos presos, feito pelo Batalhão de Choque. O número de fugitivos não foi informado, mas, conforme Justa, há possibilidade de terem fugido mais de 40 internos.


“Na primeira fuga (sábado), foram seis e três recapturados. Extraoficialmente, na de quarta-feira, foram de 40 a 50 detentos. Alguns foram feridos por arma de fogo e encaminhados ao hospital. Nesta madrugada, não há informação de feridos ou de fuga”, disse.


No caso da agência bancária na avenida Aguanambi, atacada na madrugada, o responsável pela Área Integrada de Segurança (AIS) que integra o Bairro de Fátima, major Alexsandro, informou que a ação de arrombamento não se concretizou e, quando o policiamento chegou ao local, ainda encontrou as ferramentas utilizadas.


O POVO procurou a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social e a Secretaria da Justiça e Cidadania, mas até o fechamento desta página não houve respostas.

ADRIANO NOGUEIRA

TAGS