PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Operação Dissimulare prende mais um suspeito

01:30 | 07/09/2017


Tecidos produtos de sonegação foram apreendidos pela Polícia
JULIO CAESAR
Tecidos produtos de sonegação foram apreendidos pela Polícia JULIO CAESAR
 

O contador André Maia Sousa, de 40 anos, foi preso na madrugada de ontem pela Operação Dissimulare. Ele era um dos três foragidos após a investigação que identificou uma série de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro na aquisição de produtos da indústria têxtil. Com a prisão de André, sobe para 15 o número de presos. 

 

Segundo o titular da Delegacia de Crimes Contra a Administração e Finanças Públicas (DCCAFP), delegado Márcio Gutierrez, o contador já responde na Justiça por crimes contra a ordem tributária e a estelionato. Ele é apontado pela Polícia Civil como o responsável pela administração das empresas que atualmente devem mais de R$ 55 milhões ao Fisco pela aquisição de tecidos sem o pagamento de impostos. Ele ainda é investigado em outros inquérito, sendo ouvido em 31 procedimentos.

Investigação

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a Operação Dissimulare é resultado de investigações da DCCAFP iniciadas há aproximadamente um ano. O trabalho investigativo desestruturou o esquema de compra de mercadoria que gerou prejuízo estimado em mais de R$ 300 milhões aos cofres públicos. As ações aconteceram em parceria com a Secretaria da Fazenda (Sefaz).

Outros dois suspeitos seguem foragidos. Um deles, Jovilson Coutinho Carvalho, apontado como o chefe do grupo, possui dois mandados de prisão em aberto. Além de Francisco José Timbó Farias, que atuou como um dos operadores do esquema

Foram apreendidos tecidos avaliados em mais de R$ 100 milhões. Além disso, a Polícia localizou quantias em dinheiro de R$ 1,01 milhão, 4,59 mil euros, 1,9 mil dólares, 1 (um) mil pesos chilenos, mais de mil cheques, 300 itens de joias, 21 veículos, entre outros.

Para repassar informações sobre o paradeiro dos suspeitos, denúncias podem ser feitas para o disque-denúncia da SSPDS pelo número 181, ou para a DCCAFP, pelos números (85) 3472 6687 e 3272 6831. O sigilo é garantido.