VERSÃO IMPRESSA

Prejuízo de noivas com decorador chega a R$ 300 mil

Aproximadamente 100 noivas tiveram os contratos de decoração cancelados após a falência da empresa Flávio Sampaio Decorações. Ontem, cerca de 30 vítimas estiveram em delegacia para depor

01:30 | 16/03/2017
Pelo menos 100 noivas que pagaram pelo serviço de decoração para a festa de casamento terão prejuízo que, somado, chega a R$ 300 mil. Isso porque os contratos firmados com o decorador Flávio Sampaio não poderão ser cumpridos. As informações são do titular da Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF), delegado Jaime de Paula Pessoa.

 

Ontem, pelo menos 30 noivas estiveram na sede do Complexo de Delegacias Especializadas para realização de Boletim de Ocorrência (BO) na DDF. Nos depoimentos, as noivas relataram que souberam do cancelamento do serviço em grupo de WhatsApp.


Em nota, a defesa do decorador informou que será protocolado pedido de insolvência civil. “Este processo equivale à falência de uma empresa, mas de pessoa física quando esta tem mais dívidas que rendas”, afirma a nota. O texto diz ainda que houve anúncio da situação em jornal de grande circulação e no grupo de WhatsApp das clientes. “Peço imensas desculpas e informo que em nenhum momento tive a intenção de prejudicar vocês, mas a crise no País e problemas financeiros acabaram por tornar o contrato oneroso demais para nós”, diz o texto divulgado pelo decorador.


A dentista Priscila Menezes, de 26 anos, é uma das noivas que se sentiram prejudicadas. Com o casamento marcado para o dia 7 de outubro, ela paga as parcelas pelo serviço há mais de dois anos. “Foi tudo por água abaixo. Todo mundo está sem chão”, lamentou. “Somos um grupo com várias noivas, cada uma com um valor de contrato. Meu contrato foi de R$ 7.900 pela decoração de igreja e do buffet. Surgiu o boato que o decorador estava falindo, ele alegou que era doença e o que estava no contrato ele ia cobrir, mas tudo mudou”, relatou.


Para Camila Cavalcante Melo, 26 anos, que fechou com o decorador em 2015, a preocupação é arrumar dinheiro para pagar novamente um decorador. “Minha cunhada disse que vai juntar os familiares e tentar ajudar com alguma coisa. Participo de um grupo de noivas que todas casaram recentemente e elas disseram que fariam uma rifa para ajudar”, comenta.


A noiva comentou que o contrato dela era de R$ 4 mil. Por receber apenas um salário mínimo, demorou anos para pagar. Para ela, casamento não é só um sonho a ser realizado por pessoas ricas. Camila lamentou porque, com esforço, tinha conseguido deixar tudo pago.


A assessoria jurídica da Flávio Decorações, por meio de uma nota, informou que as pessoas que se sentirem lesadas poderão se habilitar no processo de insolvência civil para tentar reaver os valores gastos.

 

Dicas


O titular da Delegacia de Defraudações e Falsificações (DDF), delegado Jaime de Paula Pessoa, dá dicas para se fazer um contrato seguro para evento:

 

1) Verificar a situação financeira da empresa

 

2) Verificar se a empresa pode suportar um abalo de mercado

 

3) Ter ciência de que contratos com mais de um ano são de risco

 

4) Fazer buscas na internet e com a própria Polícia sobre a empresa

 

5) Pesquisas no Procon e no Decon também são recomendadas antes da assinatura do contrato

JÉSSIKA SISNANDO

TAGS