VERSÃO IMPRESSA

Após alerta de tempestade, Fortaleza enfrenta chuva e transtornos

Precipitações foram semelhantes, em quantidade, às ocorridas ao longo da semana. Defesa Civil registrou dois desabamentos e sete pontos de alagamento. Fim de semana deve ser de mais chuvas em Fortaleza

01:30 | 04/03/2017
Fortalezenses amanheceram sob alerta de temporal, na manhã de ontem. A previsão do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) indicava chuvas, raios e ventanias. Contudo, os que esperavam tempestade se decepcionaram. A precipitação registrada foi semelhante, em volume, às dos últimos dias. Não houve incidentes graves, além de transtornos à população e pontos de alagamentos.

[SAIBAMAIS] 

Até o início da tarde, a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) identificou 44,4 milímetros (mm) de chuvas na Capital. A quantidade é inferior à registrada quinta-feira, 2, quando os medidores marcaram 44,8 mm. Ao longo do dia, Fortaleza permaneceu sob céu nublado.


Seis cruzamentos das avenidas Imperador e Duque de Caxias ficaram com semáforos apagados devido às chuvas. De acordo com a Defesa Civil, foram registradas 20 ocorrências, sendo dois desabamento e sete alagamentos. Mais oito alertas de desmoronamento foram emitidos. As outras duas ocorrências não foram especificadas.


Previsão

Para este fim de semana, os meteorologistas preveem tempo nublado. Hoje, as chuvas devem ser mais intensas. Já amanhã, as precipitações serão isoladas, mas são esperadas em todas as regiões do Ceará.

 

As temperaturas amenas são resultado da ação da Zona de Convergência Intertropical, principal responsável pela formação de nuvens de chuva no Estado durante os meses de fevereiro a maio.

 

Saiba mais

Desde o início do ano, 14.383 raios caíram no Ceará, segundo balanço divulgado pela Enel Distribuição do Ceará. De acordo com os dados, o município de Granja teve a maior incidência, registrando 1.037 descargas entre janeiro e a tarde de ontem.


O órgão indica que a população evite contato com objetos metálicos, como cercas e, principalmente, linhas telefônicas ou elétricas. A orientação também é evitar locais como campos abertos, piscinas, lagos, praias, árvores isoladas, postes e locais elevados.

THAÍS BRITO, LUCAS BRAGA

TAGS