VERSÃO IMPRESSA

Ensaios de blocos antecipam o Ciclo Carnavalesco

Blocos tradicionais como Unidos da Cachorra e Baqueta animaram a Praia de Iracema. Estreantes Glitter e Carnaval do Inferno também agitaram

01:30 | 23/01/2017
[FOTO3]

 

Luana Severo

luanasevero@opovo.com.br


Teve de tudo neste fim de semana que antecedeu o calendário oficial do Ciclo Carnavalesco de Fortaleza: música, dança, fantasia, glitter, beijo na boca, polícia, frustração. Ensaios de veteranos como os blocos Unidos da Cachorra e Baqueta levaram multidões ao entorno da Praia de Iracema, no sábado. Outros estreantes como o Carnaval do Inferno, que seguiu por ruas do Centro, ontem, também fizeram a folia do fortalezense.


Por outro lado, houve quem não conseguisse fazer sua festa. O Bloco da Mocinha, mesmo reunindo seu público cativo, teve o ensaio de sábado proibido pela Prefeitura, alegando que a ocupação entre as ruas João Cordeiro e Padre Climério não estava autorizada.


Portanto, quem apareceu para curtir a Mocinha se surpreendeu com a presença ostensiva da fiscalização da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma), da Secretaria Regional II, da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) e de guardas municipais e policiais militares. “Cheguei e fiquei sem entender nada”, comentou a professora Anaílde Araújo, 52. “A gente se arrumou todinha pra chegar e não ter festa”, completou a amiga, a contadora Nilza Lima, 62.

[FOTO1]

Para a trabalhadora autônoma Thalia Santos, 19, que foi pela primeira vez ao ensaio do Unidos da Cachorra, o Pré-Carnaval — previsto para iniciar, oficialmente, na próxima sexta-feira, 27 — o fim de semana deu o tom do Ciclo Carnavalesco. Ela disse que decidiu curtir Fortaleza desde cedo porque o Pré, na Capital, “está mais organizado e bem animado”.

[FOTO2]

Na noite do sábado, animado estava também na avenida Monsenhor Tabosa, em frente à loja Ahaze. O Bloco do Glitter, organizado pelos proprietários da marca, tocou do axé de É o Tchan ao sertanejo de Maiara e Maraisa. No entanto, os foliões chegaram a ocupar quase duas faixas da Monsenhor Tabosa, o que deixou o trânsito lento.


Ontem, o estreante Carnaval do Inferno saiu em cortejo pelo Centro. “Deu uma galera que curtiu mesmo com a gente, nos ajudou e foi muito massa. Diziam que Fortaleza não tinha essa tradição (do Pré-Carnaval), mas a gente consegue fazer quase um mês e meio de festa”, comemorou a jornalista Luana Barros, organizadora do bloco. (colaboraram Rômulo Costa e Mariana Lazari)

ADRIANO NOGUEIRA

TAGS