PUBLICIDADE
NOTÍCIA

O cometa de Natal?

ciy_ncia_e_say_de

01:30 | 24/12/2018

[email protected] [email protected] leitores da coluna Visões do Cosmos, estamos no NATAL, considerada a data do nascimento de Jesus Cristo. Mas será que Cristo realmente nasceu no dia e ano em que se firma como a data do seu nascimento?

 

Na coluna de hoje vamos abordar um tema que há séculos ainda é um "mistério" para a ciência: qual realmente foi o fenômeno astronômico que ocorreu e é conhecido como "Estrela de Belém"?

 

Nessa época a tradição popular se repete... Residências, praças, lojas e avenidas são enfeitadas com árvores de natal, presépios e outras alegorias. 

 

Em todos os adornos quase sempre aparece a figura de uma estrela com cauda (o que para muitos trata-se de um cometa) que, segundo a história contada, era a indicação do caminho para os Três Reis Magos encontrarem o nascedouro daquele que seria o "Reis dos reis". Um registro bíblico diz o seguinte: "Tendo pois nascido Jesus, em Belém de Judá, em tempo do rei Herodes, eis que vieram do Oriente uns magos à Jerusalém, dizendo: Onde está o Rei dos Judeus, que é nascido? Porque nós vimos no Oriente sua estrela: e viemos adorá-lo." (Mateus, II,1). Os magos eram sacerdotes-astrônomos portanto, já tinham uma boa noção de fenômenos astronômicos. 

 

Segundo Heródoto, os magos faziam parte do povo meda, que era constituído pelos paretacenos, os busas, os estrucas, os arizantos, os búdios e os medas.

 

Para os que acreditam e têm fé, que continue a tradição. Mas, para os cientistas, o fato de não saber qual realmente foi o fenômeno celeste que aconteceu naquela ocasião incomoda muito, promoveu e ainda promove inúmeros debates e pesquisas. O astrônomo, e saudoso amigo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão (1935 - 2014), no seu livro " O Livro de Ouro do Universo" (Ediouro Publicações) escreve: "No entanto, é justamente o nascimento de Cristo o acontecimento histórico que mais tem atraído a atenção de inúmeros astrônomos, em particular daqueles interessados em problemas históricos e preocupados com a procura de uma explicação racional para o grande mistério da Estrela de Belém".

 

Alguns acreditam que o fenômeno conhecido como "Estrela de Belém" foi um "sinal divino" que a ciência não explica. Mas, para um dos grandes pilares da ciência, o astrônomo e físico alemão Johannes Kepler (1571-1630), foi um fenômeno astronômico transitório, como: um meteoro, uma conjunção planetária, um cometa, uma nova ou supernova (explosão de uma estrela). 

 

Vários fenômenos astronômicos e meteorológicos foram sugeridos. Vale ressaltar que muitos desses fenômenos já tinham sido observados antes e depois do nascimento de Cristo. Portanto, qualquer tentativa de associá-los à Estrela de Belém não se sustentará se não soubermos precisar a data.

 

Voltando aos prováveis fenômenos astronômicos sugeridos para explicar a natureza da Estrela de Belém, vejamos as possibilidade de pelo menos quatro deles.

 

Teria sido um meteoro? Impossível! Um meteoro "risca" o céu em poucos 

segundos e, portanto, não seria um guia para os magos que tinham que viajar 800 Km da Babilônia até a Judéia.

 

Teria sido um cometa? Mesmo que ainda não se tenha uma confirmação científica, é pouco provável. Muitos associaram o fenômeno à passagem do Cometa Halley mas, astrônomos chineses derrubaram essa hipótese. Eles observaram o Halley na constelação de Gêmeos, no início da Era Cristã, em 25 de agosto do ano 12 a.C. portanto, muito distante da data atualmente aceita para o nascimento.

 

Uma nova? Na minha parca opinião essa hipótese é a mais forte candidata. Nova é uma tipo de estrela explosiva que repentinamente aumenta seu brilho cerca de 10 mil vezes em dois ou três dias. Algumas delas são recorrentes e têm um ciclo de reaparecimento bastante regular. Com base nesse ciclo o astrônomo norte-americano Richardson defendeu a hipótese de que a Estrela de Belém foi uma nova situada na constelação da Coroa Boreal que na época era visível bem alta no céu de Belém de Judá. Mas essa hipótese também pode ser descartada, o brilho de segunda magnitude não teria impressionado os reis magos, pois existem muitas estrelas no céu com brilho superior.

 

Para os astrônomos ingleses David H. Clark e John H. Parkinson, a Estrela de Belém foi uma brilhante nova registrada por astrólogos chineses no ano 5 a.C. Note-se que esse ano está dentro daquele intervalo, onde especialistas católicos defendem que o nascimento de Cristo deve ter ocorrido entre os anos 7 e 5 a.C.

 

Então, o que temos? O que parece é que nunca teremos uma confirmação científica do fenômeno conhecido como "Estrela de Belém" que, segundo alguns, anunciou o nascimento de Cristo.

TAGS