PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Os mitos e a ciência relacionados à superlua e à lua azul

00:00 | 14/01/2018

Caros amigos leitores da coluna Visões do Cosmos, além dos presentes celestiais como a belíssima nebulosa M 42 da constelação do Orion; as Plêiades e a nebulosa do Caranguejo na constelação do Touro; este mês de janeiro nos traz alguns fenômenos astronômicos interessantes e até mesmo raros, como um eclipse total da lua e duas superluas e, consequentemente, duas ocorrências de lua azul no mesmo mês.

Desde a mais remota antiguidade até os dias atuais, a lua e suas fases sempre despertaram curiosidade não só dos astrônomos, mas também de culturas primitivas, poetas, músicos e escritores.

Durante os milênios, a lua sempre foi associada a mitos, histórias, fábulas e lendas. De certo modo, as crendices associadas aos movimentos, forma e aspectos das fases da lua formaram a cultura de vários povos. Mas, nos dias atuais, não é admissível pessoas acreditarem que lua pode influenciar nossas vidas, provendo sucesso, gerando sorte ou azar, ou ainda associar a lua a histórias de medo e terror.

Um dos mitos mais populares relaciona a lua cheia com a loucura e licantropia (palavra que vulgarmente usamos como “aparição de lobisomens”). Segundo a crendice, nas noites de lua cheia, pessoas que foram “amaldiçoadas” transformam-se em lobisomens, e outras que sofrem com distúrbios mentais ficam mais agitadas e até mesmo violentas, podendo cometer atos de agressão e vandalismo nesta fase da lua.

Na verdade, as fases da lua são apenas um efeito óptico provocado pela variação das posições da Terra e lua em relação ao sol.

A Terra e a lua formam um sistema binário de corpos celestes, conhecido como o sistema Terra-lua. Isso porque a lua não é satélite da Terra girando em torno do centro da Terra como muitos pensam. Os dois corpos, sistema Terra-lua, giram em torno de um centro de gravidade comum conhecido como baricentro que está situado a aproximadamente 1.700 quilômetros abaixo da superfície da Terra.

SUPERLUA

O fenômeno da superlua acontece na fase da lua cheia quando a lua está bem próxima do Perigeu. Nessas ocasiões, a lua se apresenta com um diâmetro cerca de 6% maior do que o normal e aproximadamente 11,5% mais brilhante. No dia 1º de janeiro deste ano, tivemos uma super lua, o Perigeu ocorreu às 19 horas e a lua cheia às 23h24min. No próximo dia 31, teremos outra super lua — a lua cheia será às 10h27min e o Perigeu ocorrerá no dia 30 às 7 horas. Na lua cheia do dia 31, teremos um eclipse total da lua, que será visível na Ásia, na Austrália, Oceano Pacífico, América do Norte, América Central e extremo oeste da América do Sul, Europa e leste da África.

O fenômeno da superlua também está relacionado a mitos como catástrofes naturais, tsunamis e etc, mas não há comprovação científica dessa relação. Nessas ocasiões, as marés altas (chamadas marés de sizígias) são mais altas e as baixas são mais baixas do que as normais.

LUA AZUL

O fenômeno da lua azul ocorre quando se tem duas luas cheias no mesmo mês, o que não significa que toda super lua é também lua azul. Pois, para se ter super lua, a fase da lua cheia tem que ocorrer nas datas bem próximas do Perigeu. Esse fenômeno também está relacionado a vários mitos e lendas, mas sem qualquer comprovação científica. Ainda há aqueles que veem a lua com a coloração azulada, o que não ocorre.

A LUA É MAIOR NO HORIZONTE ?

Não! Isso é uma ilusão de ótica!

Durante muito tempo essa ilusão foi explicada com a sky-dome illusion ou ilusão da cúpula celeste.

Cientistas que estudaram o assunto, dentre eles astrônomos e neurocientistas, concluíram que essa ilusão ocorre justamente no tamanho angular da lua, e ela parece realmente maior quando no horizonte. Mas, havia necessidade de mais explicação para o fenômeno, pois descobriu-se que, se um observador olhar para a lua no horizonte de cabeça para baixo, essa ilusão fica desfeita.

Então, com mais estudos e pesquisas, finalmente descobriu-se que essa impressão ocorre devido à microscopia oculomotora, que é a ilusão provocada pela mudança na atividade dos músculos do olho responsáveis pela convergência de ambos os olhos num único ponto.

Quando olhamos para a lua no horizonte, qualquer tipo de paisagem que visualizarmos faz com que a lua nos pareça mais perto. Mesmo assim, os olhos focalizam o infinito e aí a macroscopia oculomotora faz com que a lua pareça angularmente maior. Quando a lua está no ponto mais alto no céu ocorre o contrário, não teremos nenhuma paisagem para comparar e aí ocorre a microscopia oculomotora, fazendo com que a lua pareça menor do que é.

 

O MECANISMO DAS FASES DA LUA

Muita gente ainda pensa que as fases da lua são formadas pela sombra da Terra sobre o nosso satélite. Isso não está correto. As fases da lua ocorrem devido ao ângulo entre a lua e o sol, visto por um observador na Terra.

O movimento do sistema Terra-lua é síncrono — ou seja: enquanto a lua dá sua volta em relação à Terra, ao mesmo tempo dá uma volta em torno do seu próprio eixo. Por isso sempre vemos a mesma face da lua e nunca vemos a outra face.

Mensalmente, a lua se aproxima e se afasta da Terra. No ponto mais próximo, chamado de Perigeu, a lua fica a aproximadamente 364.397 quilômetros da Terra. Já no ponto mais afastado, chamado de Apogeu, a lua se encontra a aproximadamente 406.731 quilômetros de nós. O movimento da lua em torno da Terra dura em média 29 dias e meio — esse período é chamado de lunação, mês lunar ou mês sinódico.

Por Dermeval Carneiro