Participamos do

O pão do Cartaxo

01:30 | Out. 14, 2017
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

[FOTO1]

Final da década de 60, meninos do buchão, morávamos no Otávio Bonfim. Onde hoje se estende a novíssima Avenida José Jatahy, era caminho de trem, que cruzando a Bezerra de Menezes atrapalhava sobremodo o trânsito ainda xoxo. Siqueira Gurgel, igreja de Nossa Senhora das Dores e 3º Distrito por testemunhas.

Porque eu testemunhei o que aconteceu naquele dia ao colega Joaquim, futuro arquiteto Cartaxo! Ele morava na rua do trilho, algo entre as ruas Azevedo Bolão e Gustavo Sampaio. Tempo de chuva. Beirava às 17 horas. A pedido da mãe, fora comprar o pão da janta ainda morno em bodega próxima – só uma bisnaga grande, pão semolina. Já passado na manteiga.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A metros de casa, a ruma de pivetes. Negadinha do mesmo tope jogando triângulo, o do ferrinho da ponta de cima entortada, que se atira ao chão, ziguezagueando linhas para ora fugir, ora “fechar” o adversário. O ingênuo Joaquim, pão que era um medonho na mão, desvia a atenção de casa e põe-se a cubar a brincadeira.

Foi aí que o cão atentou, despertando a atenção do cão de um dos meninos. O mais esgalamido de fome (‘três cruz’ de lombriga no bucho) oferece o triângulo a Joaquim, matreiramente...

- Vai lá, mah! Tomaí! É a tua vez! Me dá o pão que eu seguro!...

Joaquim Cartaxo dormiu com fome naquela noite. Fumando numa quenga!

As duas maneiras de tratar um doido

Coitado do João Romão. Puxa da perna, manqueja, anda com uma dificuldade tremenda pelas ruas. Mas não deixa de ir ao trabalho, dia nenhum. Funcionário da Rffsa. Nunca perdeu um dia de labuta. Servidor exemplar.

Mas, coitado do João Romão, puxando da perna, manquejando... Pra falar a verdade, parece um caranguejo se arrastando pelas artérias da cidade. Trabalhador único. Sem falta alguma na ficha de presença, se faltar, faz falta.

Certo dia, tive a honra de ir a casa dele, a seu convite, experimentar peixe da Amazônia (matrinxã) preparado pela esposa. Casa boa, frente pro sol, arejada. Cheguei cedo. Tive de esperar os dois se arrumarem. Fiquei no alpendre. Pra meu espanto, lá vem fagueiro o João Romão, sem puxar da perna, sem manquejar.

- Diabeisso? Parou de cachingar?

- É que em casa eu ando normal. Lá fora, esse ‘deixa que eu chuto’ é charme!

- Parabéns, você tá certo – errada é a Bíblia!

- Obrigado pela força!

Até hoje ninguém descobriu a outra maneira de tratar um doido.

O cachorro que bota ovo

Se você não acredita, venha comigo num sábado desses à casa do Jair (que dizem estar com Parkinson), no beiço da Lagoa do Opaia. Chama-se Brega o cachorro dele que bota ovo – ovo lavrado. Com a do mês passado, é a oitava ninhada de ‘pintachorro’ que tira. Aliás, ovo de cachorro é mais nutritivo que de galinha. É estranho, sem dúvida. Falam até que é coisa de bruxaria. Mas Jair está tranquilo, e acalma os que lhe querem bem:

- Quem não deve não treme!

 

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

.