PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Pai, afasta de mim esse caju!

2017-08-12 01:30:00

Após quatro dias na buraqueira, bebendo e raparigando, João Joli chega em casa e, claro, encontra a mulher feito um siri na ‘latra’, fumando numa quenga. A saída amarela? Dizer que nunca mais faz aquilo, está arrependido, fará nova promessa de por fim à bebida, de uma vez por todas.


Sujeito jura de pé junto:


- De hoje por diante, zero álcool na boca, meu amor. Pode acreditar!


- Posso confiar mesmo? Prego batido, ponta virada?


- Ora se! Adeus canicilina! Bye, bye reada de pôde!


No instante do promessaral, um vendedor de fruta temporã passa na rua, gritando:


- Ó o caju, ó o caju, ó o caju! E é caju doce, bem docim! Quem vai querer?


Irresistível convite João Joli ouve. Lambendo os beiços, propõe à mulher:


- Amor! Vamos deixar ao menos passar esse safra! Vamos?!?


Pessoa gasosa


Hamilton Pau de Arara, tipo da criatura que adoece antes de a mazela chegar, daqui a um mês. Diante de súbita e excessiva produção de gases, pesquisou no Google e, entre diversas possibilidades, abraçou a do câncer colorretal como o que estava acometido. Já considera a ideia de um caixão no jeito.


Pelo sim, pelo não, foi ao médico. Logo a ruma de ‘inzeme’. Enquanto vêm os resultados, gastro indica alimentação à base de fibras, que pare de tomar cachaça, pratique exercícios físicos. Resultado em mão, Hamilton de novo no doutor. Que observa tudo minudente. Paciente impaciente insiste em que o especialista reexamine os resultados.


- Não adiante, seu Hamilton. O senhor não tem câncer colorretal, nada de tumor.


- É? Pois eu acabo de soltar um ninja! O que seriam esses gases que tanto incomodam?


- Peido ariado! O senhor é um peidopata!


O pior do desemprego no Brasil


Mané Chico tá rico. Ganhou dinheirama ao fingir-se agraciado com o milagre fácil da cura, no templo dum pastor marreteiro. Todo mês ia lá, “ficar aleijado das pernas”, fazendo de conta que era de nascença. No camarim, arrumava-se na cadeira de rodas. Cara de coitado, ao comando milagroso do pastor, dirigia-se ao salão. Levava a galera à loucura ao levantar-se e sair andando. Bonzim!


Em vez de entoarem hosanas aos céus, diante do sobrenatural descortinado àqueles olhos frágeis, alguns fieis gritavam estupefatos: “Eita piula!!!”


Sabedor da marmota, um amigo de Mané (casado, 10 filhos, desempregado há 10 anos), foi ao culto, queria também ser “aleijado das pernas” e beneficiado com a cura de agá. Foi apresentado ao religioso. Estava disposto a testemunhar a força milagrenta do crente. Mas o pastor disse que a arrecadação havia caído, que a grana andava curta, infelizmente não havia emprego. E mais esta suja:


- Você fala inglês e alemão?


Puto da vida, o amigo de Mané Chico esperou o culto começar para, com a farsa em andamento, driblar os seguranças, pegar o microfone e falar em alto e bom som:


- O baitola desse coxo não é aleijado não! Fí duma égua é meu vizim! Meia esquerda do time lá e nós! Joga bola que só uma porra!


Levou umas mãozadas no fucim pra largar de ser besta. Ainda hoje tá guenzo, torto pruma banda.

Adriano Nogueira

TAGS