PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Se eu quiser falar com Deus

2019-01-10 01:30:00
Segundo o IBGE, no rumo que as coisas vão o número de evangélicos vai superar o número de católicos. Acredito que a principal diferença resida no fato de os evangélicos pedirem diretamente a Deus, enquanto os católicos usam os santos como intermediários.

 

A ascensão dos evangélicos nem preocupa seu Jorge, católico de carteirinha e devoto do primeiro santo brasileiro. Outro dia fui a sua casa e, em frente a uma imagem de Frei Galvão, me falou da importância dos santos e disse para eu tomar cuidado com o andor, que o santo é de barro.

 

A contradição é enorme, mas com seu Jorge a fé fala mais alta, e, em se tratando de religiões, costumo tirar meu cavalo da chuva. Por outro lado, me diz que o Diabo anda aprontando solto por aí e é necessária a presença de um santo do bem para equilibrar as coisas.

 

Sabedor que escrevo no jornal e comento futebol na TV, pega no meu braço e, com seu jeito místico, fecha os olhos e inicia oração: "Frei Galvão! Olhai por nós e livrai-nos de dirigentes e clubes que querem alterar tabelas e regulamentos dos campeonatos;

 

Livrai-nos do anti-jogo provocado pelos jogadores que, simulando faltas, jogam os torcedores contra a arbitragem; Livrai-nos também dos técnicos que ficam em volta do campo falando palavrões, dando ataques histéricos, berrando e gesticulando com os jogadores;

 

Livrai-nos também dos comentaristas e locutores esportivos que se revestem de garotos propagandas e aproveitam os efeitos do futebol na mídia esportiva criando uma onda ilusória de felicidade nos espectadores, na expectativa de vender o produto do patrocinador;

 

Livrai-nos principalmente dos jogadores que tratam a bola com desprezo e por conta disso além de sofrerem a vingança terrena de uma bola esquiva e traiçoeira, nunca sejam perdoados pelo mal que fazem ao futebol". Abriu os olhos e gradativamente foi soltando meu braço.

 

Olhei para ele dei uma gargalhada e perguntei: "Não é melhor pedir direto a Deus?". "Ah, meu filho! Você tem que falar primeiro com Gilberto Gil". E, se aproximando de uma vitrolinha, colocou a obra-prima do compositor baiano: Se eu quiser falar com Deus.

Sérgio Redes

TAGS