PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Indústria quer novas estratégias para exportação

2017-09-09 01:30:00
NULL
NULL
[FOTO1]

Os industriais cearenses estão criando novas estratégias na área internacional. A expectativa é de que as exportações cheguem a US$ 2 bilhões até o final do ano. Os trabalhos passam pelo aperfeiçoamento técnico das empresas e pela construção de um centro de referência na área.


A gerente do Centro Internacional de Negócios da Fiec (CIN), Karina Frota, conta que foram feitas análises dos resultados e debatidas propostas para a ampliação do fluxo sustentável de negócios internacionais. As prioridades estão definidas, assim como também os cursos necessários.


Em entrevista ao O POVO Economia, Karina explicou que está se pensando no fluxo de importações e exportações, e na perspectiva de se agregar novos parceiros. No caso das importações, alguns preconceitos precisam ser desfeitos. “Muita gente ainda imagina os produtos chineses como itens de má qualidade, por exemplo, mas às vezes eles são melhores do que os alemães”, acrescenta. O CIN pretende ampliar esse olhar dos importadores e também trabalhar com a promoção comercial.


As exportações cearenses também dispararam depois das operações da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), mas não devem ficar centradas apenas nos produtos siderúrgicos. A perspectiva é de ampliação das vendas neste segundo semestre, principalmente nas áreas de sucos, frutas e calçados.


BNB


PRÊMIO PARA AS CISTERNAS


O Banco do Nordeste (BNB) concluiu bem sua participação no Programa Cisternas, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS). O BNB conseguiu ser reconhecido pela organização alemã World Future Council pelo bom desempenho no projeto.


O consultor de desenvolvimento do BNB, Salomão Lelis Moraes dos Santos, em entrevista ao O POVO Economia, conta que foram firmados 14 contratos de repasse com nove entidades sem fins lucrativos. Resultado: a construção de 21 mil cisternas, na Bahia, Ceará e Minas Gerais.


Salomão acrescenta que o melhor desse projeto é que ele fica para a comunidade, já que ela aprende a captar a água da chuva e a conservá-la, o que é fundamental em uma região de seca.


PARCERIA COM GOVERNO 1


CONDOMÍNIO INDUSTRIAL EM TABULEIRO


Empresas dos setores metalúrgico e mecânico aguardam a desapropriação de galpões em Tabuleiro do Norte para a construção de condomínios industriais. A expectativa é de que esse processo ocorra ainda este ano pelo governo do estado, o que deve ajudar as empresas do segmento que tentam a redução de custos.

 

PARCERIA COM GOVERNO 2


42 EMPRESAS BENEFICIADAS


O presidente do Sindicato da Indústria Metal Mecânico (Simec), Sampaio Filho, explica que há três projetos em curso para a criação de condomínios industriais, localizados em Tabuleiro, São Gonçalo e Caucaia. A perspectiva é de criação de benefícios iniciais para pelo menos 42 empresas, que dividirão custos de transporte, segurança e alimentação de funcionários.


Esse tipo de projeto também vem sendo trabalhado por outros sindicatos, como é o caso da indústria química, que pretende construir um condomínio empresarial em Guaiúba.


MOTIVAÇÃO


RECUPERAÇÃO DA ECONOMIA


Especialistas de instituições financeiras refazem suas projeções para a economia em 2017 e 2018. O Bradesco, por exemplo, estima uma melhora de 0,7% este ano e de 2,5% para o ano que vem.


Muitos empresários estão acreditando nessas perspectivas e tentam se organizar. Sampaio Filho, presidente do Simec, afirma que as empresas da área mecânica começam a sentir a melhora e estão criando mecanismos para garantir os resultados.


As iniciativas passam pela criação de rodadas de negociação com outros sindicatos que fazem parte da cadeia produtiva do setor, gerando alianças entre fornecedores.


JUROS


RETORNO DAS APLICAÇÕES


Bom para quem compra e ruim para quem guarda: a redução dos juros básicos deve ajudar o comércio a conseguir melhores resultados neste final de ano mas, para quem aplica na poupança, haverá um desincentivo.


Ou seja: é preciso atenção na hora de investir para manter algum rendimento e lembrar que a poupança, mesmo com baixo retorno financeiro, é isenta de impostos.


A previsão para a aplicação (que rende 70% da Selic, mais a TR) é que ela chegará a algo em torno de 5,77%.


Mesmo assim, alguns especialistas garantem que ainda vale guardar um dinheirinho...


Se você acredita que pode, você tem razão. Se você acredita que não pode, você também tem razão”

Henry Ford (1863-1947), empresário norte-americano

RÁDIO


O POVO Economia da Rádio O POVO CBN (FM 95.5), a partir das 14 horas, de segunda a sexta.


TV


Você pode assistir ao programa O POVO Economia também através do portal: tv.opovo.com.br/opovoeconomia.

 

TAGS