Participamos do

16 cearenses no ranking nacional das melhores para trabalhar

01:30 | Ago. 16, 2017
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

As empresas cearenses inscritas no Great Place to Work Brasil (GPTW) conseguiram melhorar seu desempenho no ranking nacional. Em 2016, 14 companhias se destacaram entre as melhores para trabalhar no Brasil; este ano, na premiação realizada segunda-feira, em São Paulo, 16 foram premiadas entre as 150 melhores.

 

O resultado mostra o esforço de adaptação das empresas em melhorar sua gestão, apesar do mercado recessivo. Eis o ranking, em ordem alfabética e por categorias (ver tabela).

[FOTO1]

FUTURO 1

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

CEARÁ 2050 ATÉ 2018


O Governo do Estado pretende lançar ainda este mês o Plano Ceará 2050 e concluir boa parte do projeto até o final de 2018. Vale lembrar que o Fortaleza 2040 levou três anos para ser construído.


Segundo o governador Camilo Santana, o Ceará 2050 deve seguir o mesmo formato e metodologia. A ideia é criar um instrumento para ser discutido e elaborado com representantes da sociedade, da academia e do setor produtivo para orientar o governo que estiver no cargo.


FUTURO 2


QUAL O PAPEL DO ESTADO?


Um dos grandes desafios do Ceará 2050 está no redimensionamento do setor público. O governo atual tem uma visão clara de que será preciso reestruturar o tamanho da máquina administrativa do Estado.


A lógica parte do pressuposto de que não é papel do Estado assumir determinadas áreas e, nesse percurso, é esperado que serviços e empresas sejam repassados para a iniciativa privada. O governo Camilo Santana tem reiterado que focará naquilo que a população mais precisa, para otimizar recursos.


FUTURO 3


OLHAR PARA A PREVIDÊNCIA


No início do governo Camilo foi feita uma reforma administrativa. A tendência é de aprofundamento dos estudos agora, com um olhar mais direcionado para a previdência, com elaboração de propostas para garantir a sustentabilidade da máquina pública.


Ou seja: o estado deve assumir algumas regras da iniciativa privada para melhorar seus resultados e, por essa lógica, os servidores públicos também passarão por essa adaptação de cultura corporativa. A tendência é de que alguns processos sejam acelerados para evitar o calendário eleitoral.


PÉ NO FREIO


CAI O NÚMERO DE NOVAS EMPRESAS


Curioso o movimento apresentado no segundo trimestre deste ano. Com a crise, o número de novas empresas caiu 3,8% em relação ao trimestre anterior. O levantamento foi feito pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), tem abrangência nacional e mostra o pé no freio dos pequenos investidores que preferem ficar na informalidade. Essa foi a primeira queda observada desde o início da série histórica (2003).


PREJUÍZO


PROBLEMAS NA SEGURANÇA


A Confederação Nacional da Indústria (CNI) fez um levantamento dos prejuízos provocados pela insegurança. As estatísticas mostram que uma em cada três indústrias brasileiras foi vítima de roubo, furto ou vandalismo em 2016. As perdas e os gastos com seguros e segurança privada somaram R$ 27,1 bilhões do faturamento das companhias no ano passado – um custo alto, muitas vezes não contabilizado na hora de empreender.


LOS HERMANOS


TOUR PELA ARGENTINA


A próxima estação deve contar com uma presença maior de turistas argentinos. Desde domingo, caravana de hoteleiros e representantes da Secretaria de Turismo do Estado visitam cidades como Córdoba, Buenos Aires e Rosário, mostrando o que existe de interessante para se conhecer no Ceará.


Nem toda mudança é crescimento, assim como nem todo movimento é para a frente”

Ellen Glasgow (1873-1945), romancista norte-americana

RÁDIO


O POVO Economia da Rádio O POVO CBN (FM 95.5), a partir das 14 horas. Destaque para o quadro “Sobe e desce da economia”, com o jornalista Nazareno Albuquerque.


TV


Você pode assistir ao programa O POVO Economia também através do portal: tv.opovo.com.br/opovoeconomia.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente