PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Conteúdo que fez falta

2017-12-03 00:00:00
NULL
NULL

 

Tânia Alves

 

Na quinta-feira passada (30/11), recebi email de um leitor em que ele questionava a falta de uma matéria no O POVO Online. Ele se referia ao depoimento do advogado Rodrigo Tacla Duran, delator da Odebrecht, na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da JBS, que ocorreu naquele dia, feito por videoconferência. O advogado tem um pedido de prisão expedido pelo juiz Sergio Moro, mas continua em liberdade na Espanha, onde mora atualmente. “Ele (Tacla Duran) acusou (novamente) o advogado (Carlos) Zucolloto, compadre de Sergio Moro, de vender facilidades no âmbito da Lava Jato. No O POVO Online não há nada sobre isso. Não deveria haver?”, questionou. O leitor se equivocou num ponto: O POVO Online havia publicado matéria sobre o assunto, naquele dia, com o título “Advogado ligado à Odebrecht diz que Marcello Miller fazia delação ‘a la carte’”. Porém o conteúdo não abordava o tema citado por ele.


A crítica do leitor, no entanto, cabe perfeitamente ao impresso que, no dia seguinte ao depoimento, não publicou uma linha sequer sobre o depoimento do advogado. Aliás, a declaração pública de Tacla Duran não mereceu muita atenção da imprensa de uma maneira geral. Naquele dia, o vídeo da passageira que hostilizou o presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), dentro de um avião, ganhou mais visibilidade do que o depoimento na CPMI. No O POVO, o vídeo foi um a matéria secundária com quatro parágrafos. Não publicar um registro sobre o depoimento do advogado foi falta de atenção com um fato jornalístico importante que diz respeito à Lava Jato.


Além disso, a inexistência da notícia sobre o depoimento do advogado, no O POVO, não se deu por falta de espaço. Na sexta-feira passada (1º/12), um mesmo texto informando da determinação da justiça para suspender a propaganda do Governo Federal sobre reforma da Previdência foi publicado em duas editorias: Política e Economia.

[FOTO1]

SOBRE A PELEJA DO ERRAMOS

Como é de praxe, apresento hoje a quantidade de correções publicada na seção Erramos em novembro último. O levantamento é feito pelo Banco de Dados do O POVO. No mês, 15 correções foram feitas nas páginas do jornal (ver quadro). No entanto, continua a peleja da falta de reparo para os erros apontados por leitores. Alguns deixaram de ser providenciados. Foi o caso da repetição do resumo da novela Pega Pega no dia 12 de novembro publicado no Buchicho. Uma leitora reclamou: “Sou assinante e leitora de O POVO e já por algumas vezes vejo erros de informação. Hoje lendo o resumo da novela Pega Pega está repetido (páginas 9 e 10) e faltando dois dias da programação. Erro grosseiro de falta de atenção. Isso já vem acontecendo em outras edições. Confio neste meio de comunicação e espero que estes erros não se repitam”. Não houve correção neste caso.

No dia 8 de novembro, outro caso aconteceu na matéria “Heitor entra na justiça contra indicação de Ernesto Saboia”, Política. Um leitor apontou que uma frase dita pelo deputado Fernando Hugo (PP) foi atribuída a outro deputado, Heitor Férrer (PSB). Até a última sexta-feira, não havia sido feita a correção.


TROCA CAUSA RECLAMAÇÃO

A publicação do Sudoku do dia 26 de novembro foi motivo de manifestação de leitores. A reclamação ocorreu porque a solução do Sudoku, que é publicada em espaço menor, havia tomado o lugar do jogo, que precisa ser maior para facilitar a resolução. Um deles reclamou: “A publicação do Sudoku está saindo trocada com muita frequência. Só nesta semana foram duas vezes que o Sudoku foi publicado com a solução no lugar que é para resolver, e o que é para resolver no lugar da solução. Mais atenção, e revisão, minha gente...”. Outro escreveu: “Aconteceu nesta, o mesmo que semanas atrás. O jogo, para se jogar, veio novamente invertido, jogo na coluna menor, respostas na maior, pergunto-lhe, como vamos jogar, se o espaço não cabe a pena da caneta?” Mais um se manifestou: “A solução do Sudoku vem no lugar que deveria ser preenchido pelo leitor. Essa é a terceira vez que o observo em um período que imagino não chegar a dois meses. Sugiro um pouquinho mais de atenção no acabamento das edições.”

Não foi a primeira vez que leitores mostraram irritação com erros na edição do Sudoku, que é publicado de segunda a sábado no Vida & Arte. A manifestação deles mostra o quanto o jogo é atrativo para determinado grupo de leitores. Logo que tomou conhecimento da reclamação, Marcos Sampaio, editor-adjunto do Vida & Arte, respondeu aos leitores, prometendo prestar mais atenção à edição do jogo. É esta atenção que os leitores estão cobrando.


AVISO

Estarei de férias no mês de dezembro. Ainda volto a escrever neste espaço no dia 7 de janeiro, mas será só uma despedida destes três anos como ombudsman. Para o exercício de 2018/2019, será empossada na função a jornalista Daniela Nogueira.

 

Adriano Nogueira

TAGS