PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Grave erro na manchete do jornal

2017-10-29 00:00:00

 

Tânia Alves

 

O aviso sobre a matéria “Economia de voos diretos chega a 69%” foi enviado pela manhã cedo: “Erraram a conta”. O conteúdo se referia à comparação de valores de passagens de Fortaleza a Paris com e sem conexão saindo de Fortaleza e de outras capitais. Já no início da manhã, recebi explicação mais detalhada do analista de pesquisa do O POVO comentando sobre a falha: “Na matéria da página 19, Economia, os cálculos das passagens com conexão em relação às passagens com voos diretos para Paris estão errados, pois a base de cálculo tem que ser quanto o voo direto representa no voo de conexão.” Ele fez a gentileza de enviar como deveria ter sido feito o cálculo, que mostrava que o correto seria 41%, portanto, “Economia de voos diretos chega a 41%”, e arrematou: “Todos os outros cálculos também estão errados. Acredito ser relevante fazer uma errata na edição de amanhã (26/10)”, disse, referindo-se ao quadro “Passagens aéreas - Comparativo de valores”.

O equívoco publicado na matéria foi parar na manchete do O POVO daquele dia. A frase, na primeira página, repetia o percentual incorreto da matéria. O título e o texto foram corrigidos no Portal O POVO Online, numa iniciativa que serve para reduzir danos. O quadro com os outros números não aparece no online. No dia seguinte, uma reparação foi providenciada, na seção Erramos, mas de forma muito discreta, corrigindo apenas o título da matéria publicada na Editoria de Economia. A manchete do jornal e os outros números deixaram de merecer atenção. Foi como se a manchete do O POVO, que saiu com um percentual incorreto, não tivesse a mínima importância.

 

Embora o Guia de Redação e Estilo seja omisso em relação a erro na manchete do O POVO, já é de praxe que a correção seja feita com maior destaque. Em erros assim, é imprescindível uma matéria explicativa para fortalecer o compromisso que O POVO tem com a verdade. Desta vez, a iniciativa foi deixada de lado. Nada mais transparente do que assumir os próprios erros para que eles não mais se repitam. No livro Ética do Profissional da Comunicação (Artanza Echanz e Juan Pagola, Editora Paulinas), os autores escrevem sobre “direito à informação e à verdade” em comunicação: “A verdade objetiva é o ideal. Por isso, existe o dever de corrigir o erro involuntário cometido. Não há engano ao público quando não há negligência culpável e há disposição em retificar. O que nunca será correto, do ponto de vista ético, é o engano deliberado”.

TÍTULOS X CONTEÚDOS
A imprecisão entre títulos e conteúdos de matérias esteve no radar dos leitores durante a semana que passou. Isso aconteceu por duas ocasiões. A primeira no O POVO Online, na terça-feira passada (24/10). Leitor enviou imagem com dois títulos colocados juntos: “Aeroporto de Fortaleza terá investimento de R$ 600 milhões em dois anos” e, logo abaixo, “Estado será majoritário na gestão”. Ele escreveu: “Eu procurei saber como o Estado poderia ser majoritário na gestão do aeroporto, mas na realidade (a matéria coordenada) é do Porto de Pecém!!!”.

O leitor teve razão em ficar bravo. A posição das matérias no online, uma abaixo da outra, deu falsa impressão de que o conteúdo sobre o Porto do Pecém se referia ao aeroporto. As duas matérias estavam na versão impressa daquele dia, mas, neste caso, aparecia no alto do título da coordenada “Porto do Pecém”, evitando uma leitura equivocada.

A segunda imprecisão foi detectada por outro leitor na quinta-feira passada (26/10) na manchete da Editoria Radar na plataforma impressa: “A manchete diz uma coisa, mas o texto diz outra...”. O título da matéria era: “STF volta a julgar foro”. O texto, no entanto, falava sobre a defesa que o ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF), fez para a continuidade do julgamento do foro que se iniciou em 1º de julho deste ano e parou. O título não estava preciso, pois, até aquele dia, o STF não havia voltado a julgar o alcance que deve ter o foro privilegiado.

SEMANA COM ALGUM FÔLEGO
A semana, porém, contou com algumas coberturas bem-sucedidas. Começou na segunda-feira (23/10), com o início da série ‘Mestres da Cultura’ (ver fac-símile), que mostrou especificamente os agraciados da Região do Cariri. Fotos, desenhos e textos se uniram de forma harmoniosa para falar do perfil de homens e mulheres que participam ativamente da cultura cearense. É desta região que vem a maioria deles.

Na terça-feira passada, Economia fez uma cobertura eficiente sobre a visita que os executivos da empresa alemã Fraport, que tem a concessão do Aeroporto Internacional Pinto Martins por 30 anos, fizeram ao Ceará. O conteúdo viu o tema sobre vários ângulos e resultou na manchete do jornal. Na última quinta-feira, a cobertura da votação na Câmara Federal que barrou a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, na editoria Política, também apontou vários ângulos. Ficou eficaz.

PARA ACIONAR A OMBUDSMAN
Os leitores das diversas plataformas do O POVO podem entrar em contato com a ouvidoria pelo WhatsApp (85) 98893 98 07; por email ([email protected]) e telefone fixo (3255 6181). O leitor pode ainda visitar a ombudsman se necessário. Basta ligar e agendar.

 

Adriano Nogueira

TAGS