PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Loteria repetida irrita leitores

2017-02-18 17:00:00

 

Tânia Alves

 

O POVO publica de segunda a sábado, na página Radar, o resultado dos jogos sorteados pela Caixa Econômica Federal na seção “Loterias”. A solução fica em destaque do lado direito, no alto da página. É ali que os leitores mais cativos se acostumaram a verificar os números quando recebem o exemplar em casa. Às vezes, porém, o serviço prestado pelo jornal não sai de acordo com o que espera os usuários. Foi o que ocorreu na quarta-feira passada (15/2). Naquele dia, nervoso, um leitor entrou em contato com a ouvidoria para mostrar que havia um erro no resultado da Quina. “Os números são os mesmos de ontem (14/2). Deveria ter publicado o concurso 4.311. Não se tem a devida atenção com os números. Não é a primeira vez que saiu errado. Vocês talvez não tenham atentado para a responsabilidade que é publicar os números de loteria. Se sai errado, a pessoa pode até morrer de raiva”, disse, alertando que a seção jamais poderia ser publicada com erro, pois é algo “irreparável”.


O erro a que o leitor se referia era a republicação do concurso nº 4.310 da Quina. Vale lembrar que o jogo é sorteado de segunda a sábado; portanto, o resultado estava desatualizado. A interpretação do leitor ao apontar o erro está correta, pois quem vai checar o sorteio na seção pode não observar o número do concurso e ser enganado pelo resultado. Ele acerta ainda quando diz que não é a primeira vez que o resultado é publicado de forma incorreta - o que é uma preocupação. Em dezembro do ano passado, outro usuário havia alertado que o resultado da Lotofácil, da edição de 19/12/2016, repetia o sorteio do dia 16/12/2016. Em outubro do ano passado, mais um leitor também havia encontrado erro em números publicados da Lotofácil. Havia se trocado um dos 15 números sorteados.


No dia seguinte à publicação do concurso repetido do Quina, o editor da seção tomou a iniciativa de publicar o resultado de dois concursos: 4.311 e 4.312. Este último, o mais atualizado. Foi uma boa iniciativa, mas é necessário ficar mais atento. Um erro do tipo pode acarretar sérias dificuldades para quem confia na credibilidade do O POVO para conferir os números sorteados. Pode resultar também em sério prejuízo financeiro para a empresa.


OLHAR DE REPÓRTER

Em jornalismo, às vezes, os assuntos se repetem. Isso ocorre mesmo na era digital, em que tudo é rápido, veloz e ligeiro. O grande mérito do repórter nestas ocasiões é saber olhar o mesmo assunto de maneira diferente ou mesmo buscar visões distintas para falar sobre o mesmo tema. Falo isso porque durante a semana que passou houve um caso assim na edição impressa do O POVO. A manchete do jornal no dia 14 passado informava sobre fraude no Bilhete Único (ver fac-símile). O assunto fraude no sistema de transporte não é novo, mas a matéria se tornou exclusiva quando se conseguiu um dado que ainda não havia ido para as manchetes: a quantia diária que a fraude movimentava. A reportagem ficou entre as mais lida do O POVO Online daquele dia.

 

A reportagem só pecou na forma como apresentou este número que estava quase escondido no fim da matéria. O recomendado é que aparecesse mais para o início do texto, pois era a novidade. A série de matérias ainda teve o mérito de resultar em uma segunda manchete do jornal sobre o crescimento do número de fraudes, transformando-se num ponto de leitura eficiente durante a semana.


CAPA QUER MELHOR REVISÃO

Na terça-feira passada (14/2), em visita à Redação para a reunião de posse do Conselho de Leitores do O POVO, encontrei o diretor-adjunto da Redação, Erick Guimarães, que me informou que foi feito um rearranjo nos horários dos editores para que a capa do jornal possa ter mais uma revisão, além daquela já feita normalmente pelo redator da Primeira Página. O diretor respondeu à nota publicada na coluna Ombudsman do domingo passado (12/2), com o título “Os impensáveis erros da capa” (para ler no link:

https://migre.me/w4qm2), em que foi cobrada uma ação urgente para reduzir as incorreções muito frequentes. No dia seguinte, recebi email do redator da Primeira Página, André Bloc, em que ele também reforçava a mudança. “Após queixa na última coluna e comentários de leitores sobre uma série de erros na Primeira Página, foi instituída uma mudança institucional no setor, com a inclusão de um membro de apoio para revisão. Com isso, um editor terá a função de revisar todo o conteúdo impresso na Primeira Página, de forma a zerar erros pontuais.”


Com a iniciativa, a diretoria da Redação inicia uma nova etapa para tentar minimizar as imperfeições na Primeira Página. É importante colocar um segundo editor para revisar as chamadas. Pode não reduzir os erros a zero, mas será uma ferramenta importante para a busca da meta. Que esta seja uma política permanente na Redação, por longos anos, com as pessoas que estão por lá ou com outras que virão no futuro. Que a iniciativa possa também se estender para outras páginas e mídias do setor de jornalismo.

 

TAGS