O sucesso do VAR
PUBLICIDADE

VERSÃO IMPRESSA

O sucesso do VAR

2018-06-30 01:30:00
Os responsáveis pela arbitragem da Copa do Mundo falaram com a imprensa após o fim da 1ª fase da competição. Foram importantes os dados revelados pelo ex-árbitro italiano Pierluigi Collina, o chefe geral. O sistema de árbitro assistente de vídeo, o já glorioso VAR (sigla em inglês), foi utilizado 335 vezes, tanto partindo dos árbitros que acompanhavam os monitores de televisão, como por iniciativa dos que estavam no campo de jogo. Todos os 122 gols marcados nos 48 confrontos, independente de gerarem ou não reclamação de atletas e técnicos, foram checados, bem como outras situações relevantes das partidas, casos dos 24 pênaltis marcados, por exemplo, recorde histórico levando em consideração todas as outras edições dos Mundiais desde 1930.

 

ÍNDICE DE ACERTO

 

Ainda de acordo com Collina, dos 335 lances, 99,3% foram considerados como revisados corretamente. Já nos 0,7% restantes, ainda que com a análise, os erros foram mantidos.

 

SUCESSO


Para dirimir dúvidas ou confirmar e corrigir os equívocos, o VAR funcionou muito bem até agora, especialmente porque foi a primeira experiência de dezenas de árbitros, atletas e treinadores. É de uma tranquilidade enorme ter a checagem em tempo real utilizando a tecnologia, ainda que não haja nenhum sistema absolutamente perfeito, até porque são seres humanos que fazem toda a coordenação.

 

TEMPO UTILIZADO


Uma outra grande preocupação antes da utilização do VAR era com o tempo que o jogo ficaria parado para a verificação dos lances mais complicados, aqueles que obrigam o árbitro do campo a se dirigir ao monitor na lateral, entre os dois bancos de reservas. Ficou mais do que provado: o jogo é minimamente interrompido diante do tamanho do benefício gerado. Estudo publicado pelo site FiveThirtyEight, dos EUA, mostrou análises anotando que o VAR gasta 31 segundos por partida, enquanto as interrupções para cobranças de faltas superam os dez minutos por encontro, diante de sete minutos em cobranças de laterais, seis minutos em tiros de meta e quatro minutos em atendimento médico.

 

Fernando Graziani

[email protected] 

Fernando Graziani

TAGS