PUBLICIDADE
Notícias

O conflito do Ceará será um laboratório para o País

01:30 | 09/01/2019
NULL
NULL
O clima de instabilidade em Fortaleza ainda vai durar algum tempo. O termômetro são os ataques que não cessam e intranquilizam, principalmente, o cotidiano da Capital e parte do Interior do Ceará. A estratégia difusa de atentados e a capilaridade usada com o arrebanhamento de pessoas no meio das comunidades onde o Estado é menos desafiam a inteligência policial e o emprego ostensivo das forças de segurança. No ponto que chegou, não se pode pensar em um recuo do governo. Fortaleceria ainda mais o crime dentro e fora das penitenciárias. Mas os riscos daqui para frente tendem a aumentar para sufocar o levante das facções. Até aqui, a letalidade divulgada para oito dias de conflitos é considerada baixa. São três criminosos mortos em confrontos e um policial baleado. Como os atentados não cessaram com o endurecimento contra líderes nos presídios e a ostensividade nas ruas, a linha de enfrentamento, naturalmente, tende a se asseverar. O conflito do Ceará poderá ser um laboratório, para o bem ou para o mal, ao resto do Brasil.

 

TESTE DE FOGO

 

Por que poderá ser um laboratório? Aqui, planejado ou não, se juntaram forças locais, regionais e federais. Mesmo com a troca de farpas políticas entre Bolsonaro e Camilo.

 

O NORDESTE

 

No Ceará, o Nordeste - que não deu vitória a Bolsonaro nas urnas - teria se juntado para combater as facções e também demonstrar poder na queda de braço com Brasília. O que se sabe: vieram 20 homens de Pernambuco, 20 do Piauí e 100 da Bahia. Além de dois da inteligência de Santa Catarina.

 

COMPARAÇÃO

 

A "guerra" do Ceará contra as facções também servirá de comparação com a situação do Rio de Janeiro, que vive uma intervenção militar debaixo de críticas porque não "derrotou"o crime.

 

LIÇÃO

 

Daqui, caso o governo "derrote" as facções, o modelo de enfrentamento poderá virar livro didático de repressão de "salves" para outros estados.

 

FUTURO

 

Não é exagero dizer que o resultado negativo do conflito do Ceará servirá de combustível, por exemplo, para as disputas políticas nas eleições de 2020. Mesquinhamente, já tem adversário político de Camilo arquivando imagens da "guerra".

 

PÓS-CONFRONTO

 

Caso Camilo Santana consiga impor a força contra as facções, terá de apresentar um plano revolucionário para transformar o inferno vivido nos presídios e nas comunidades onde as facções recrutam excluídos.

 

PROJETANDO

 

Não há plano especial traçado. Mas, segundo o secretário Inácio Arruda (Ciência e Tecnologia do Ceará), teria havido uma discussão entre Camilo, o secretário Mauro Albuquerque (Administração Penitenciária) e as outras pastas para projetar para além da repressão de agora.

 

AÇÃO CASADA

 

As secretarias da Ciência e Tecnologia, Educação, Cultura, Proteção Social, segundo Inácio Arruda, seriam estratégicas para uma mudança de cenário 

dentro das cadeias e nas comunidades vulneráveis.

 

ANTIGO

 

O governo, pós-conflito, tem de encontrar uma saída para o universo paralelo nos presídios que tem ligação direta com o tráfico de drogas e os homicídios no Ceará. Para além da repressão, necessária nesse momento.

 

Grande Encontro 

[FOTO1]

O cantor e compositor Manu Chao está curtindo as praias do Ceará. Os amanantes da música estão urdindo o encontro musical de Manu com Ricardo Bezerra, o virtuose do Cavalo Ferro e Manera Fru Fru

 

SOBE

 

SORTE

 

Cearense Amandinha, cinco vezes a melhor do mundo no futsal. Foi ao CT do Ceará tentar passar boas energias para uma Série A diferente em 2019.

 

Desce

 

MEDO

 

Postos de Saúde da Prefeitura, na periferia de Fortaleza, que estão mais inseguros com a onda de ataques das facções. Cadê a Guarda Municipal?

 

HORIZONTAIS_

 

Hoje tem reunião do Conselho Gestor do Parque do Cocó, às 9 horas. Entre as pautas, o i-music, do Iguatemi. /// O Espaço Cultural Correios abre amanhã, 16 horas, exposição sobre o rio São Francisco, do artista Francisco Ivo. /// Hospital Regional do Sertão Central, em Quixeramobim, com inscrições abertas para seleção a 140 vagas. /// Roberto Cláudio (PDT) de volta dos EUA, bom se sentar com Camilo para tomar pé da situação em Fortaleza. /// Só lembrando: Por que o brasileiro gosta tanto da falida caderneta de poupança?

TAGS