PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

O que explica a recusa em reconhecer a transexualidade?

2019-01-17 01:30:00
NULL
NULL

 

É inacreditável que, em pleno 2019, a transexualidade ainda enfrente tanta resistência em determinados setores no Brasil. Inacreditável, mas assustadoramente compreensível, tendo em vista a onda conservadora que avança sobre o País.

 

No início desta semana, às vésperas do Dia Nacional da Visibilidade Trans, comemorado em 29 de janeiro, o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés da Silva (PSL), vetou um projeto de lei aprovado pelo Legislativo que dispunha "sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública de Santa Catarina".

 

Trocando em miúdos, o governador vetou que travestis e transexuais pudessem usar nome social em fichas de cadastro, formulários, prontuários, registros escolares e outros documentos para atendimento de serviços públicos prestados pelo estado.

 

O veto é um retrocesso enorme. Principalmente se levarmos em consideração  a decisão tomada por unanimidade pelo Supremo Tribunal Federal (STF), em março de 2018, que permitiu que transexuais e travestis possam alterar seu nome no registro civil sem a necessidade de realização de cirurgia de mudança de sexo. Mais ainda se lembrarmos, que desde abril de 2016, em ato assinado pela presidente Dilma Rousseff (PT), travestis e transexuais podem usar nome social no serviço público federal.

 

A recusa em reconhecer a dignidade de pessoas trans e travestis transborda para além de autoridades representantes da nova extrema direita e parece ter contaminado até segmentos costumeiramente pouco afeitos a este tipo de 

manifestação.

 

A querela desta semana envolvendo o cantor Nego do Borel, Luisa Marilac e a personagem Mamma Bruschetta é uma boa amostra do potencial corrosivo deste tipo de atitude. Mas não é uma novidade em si.

 

No ano que passou, a cantora Pabllo Vittar e ator Thammy Miranda, então no centro dos holofotes, foram sistematicamente vítimas de piadas infames, que em comum tinham o fato de troçarem sobre a sua identidade de gênero e a negação em admiti-la como feminino e a ele como masculino.

 

Alguma explicação há de haver, à luz da Psicanálise, para tamanha rejeição à natureza do outro e a como ele se relaciona com sua própria identidade e desejos. Mas sigo daqui acreditando que esse comportamento diz mais da disfunção de quem o pratica do que da quem dele é vítima.

 

Ouça essa

[FOTO3]

"Eu, se fosse gay, ia falar que era. Porque não atrapalha nada na minha vida. Sou apresentador, comediante, estaria dando feliz da vida, transando por aí felizão".

 

Fábio Porchat, em entrevista a Bruno Motta

 

"Eu sou uma mulher em todas as fibras do meu corpo e agora também uma senhora deputada regional"

[FOTO2]

Tessa Ganserer, primeira deputada transgênero da Alemanha, em mensagem postada em sua conta do Facebook, anunciando que deixava de ser Markus Ganserer para assumir sua personalidade feminina.

 

Noteenhas

 

Amores da vida real registrados em livro

[FOTO1]

A história de amor de quatro casais homossexuais que estão juntos há mais de 20 anos é o tema do livro Amores Invisíveis - Casais longevos da diversidade, (Editora de Cultura) da escritora e psicóloga Déa E. Berttran. A publicação revela a construção conjugal e a manutenção do vínculo amoroso de dois casais masculinos (Donato e Tomás e Nestor e Otávio) e dois femininos (Dani e Nancy e Ísis e Raquel), alguns deles com filhos, de relações heterossexuais anteriores ou então adotados."Em linguagem informal, as histórias desses casais são entrelaçadas às do movimento homossexual no Brasil, e de suas conquistas nos últimos anos, descortinando um horizonte possível de convivência entre os que amam, sejam aos iguais, sejam aos diferentes", explica a autora do livro, que é derivado da sua tese de Doutorado, no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. A obra está disponível para compra no site da Editora de Cultura (www.editoradecultura.com.br) ao preço de R$ 42,90.

 

Brasil e homofobia

 

Pesquisa realizada pelo Datafolha revela que a maioria dos homossexuais brasileiros já se sentiu discriminada por causa de sua orientação sexual. Segundo o levantamento, 55% dos entrevistados declarados homossexuais disseram já ter sido vítimas de homofobia. Entre os que se declaram bissexuais, 38% afirmaram já terem sido discriminados. Já entre os heterossexuais, apenas 6% declararam ter sofrido preconceito devido à orientação sexual. A pesquisa foi realizada em 18 e 19 de dezembro, com 2.077 entrevistas em 130 municípios de todo o País.

 

Desapego Solidário 

 

Até o dia 25 de janeiro, o Centro de Referência LGBT Janaína Dutra (rua Pedro I, 461, Centro) estará recebendo doações de roupas, calçados, acessórios, bolsas e livros. A iniciativa faz parte da campanha Desapego Solidário. Todo o material arrecadado será distribuído no "Dia T", que será celebrado em 29 de janeiro. Quem tiver alguma dúvida deve entrar em contato com com Lúcia ou Luciana, no próprio Centro de Referência Janaína Dutra, através do telefone 3452 2047.

 

LEVEL

 

AMANHÃ, SEXTA-FEIRA, a boate Level (Rua Dragão do Mar, 218, Praia de Iracema) recebe a terceira edição do Baile da Gaiola, a partir das 23hs. No line-up, os DJs Luiz Neto, David Arthenio, Emmanuel Costta, David Skylinne e Danley Barros. Plus: Vinho, catuaba, vodca e água com preço promocionais rodadas de bebidas free. Ingresso: R$ 10 (meia com lista Vip até 0h), R$ 15 (meia com lista Vip após 0h) e R$ 20. No sábado, dia 19, a casa reúne 15 atrações em três ambientes diferentes, a partir das 23hs. No comando das pick-ups, os DJs Aly Balker, Di Soarez, Emma Salvatore, Fabio Balack, Italo Bergman, Lourran Carneiro, Luiz Neto, Ph Archibald, Rebeca Sales, Sergio Klisman e Thales Sales performances de Emma Salvatore, Jhennyfer Zasckomitty, Sarah Kloss e Xycca Drag. Plus: Rodadas de vinho pirulitos free. Ingresso: R$ 15 (com lista Vip até 0h), R$ 25 (meia ou sem lista Vip) e R$ 80 (camarote com 12 fichas de bebidas). No domingo, dia 20, rola mais uma edição do Domingão da Level, a partir das 22hs. No comando da pista eletrônica, os DJs residentes Lourran Carneiro, Amabilis Ohanna e Marcelo Fort. No palco, shows e apresentação de Taylane Freitas e Kyara Hilton, Ketlen Willians, Nataly Saron e Victorya Tithan. Além de forró das antigas com Alessandra Nagy. Plus: Cardápio e bilheteria com preço promocional. Ingresso: R$ 10 (até 23h30min) e R$ 15 (depois de 23h30min).

 

SELVA

 

AMANHÃ, SEXTA-FEIRA, o complexo Armazém (Av. Almirante Barroso, 444, Centro) recebe a primeira edição da Selva - The Party, a partir das 21 horas. A mais nova festa voltada para ursos e admiradores no Ceará terá sorteio de brindes, decoração temática e ambiente climatizado. No comando das pick-ups, os DJs Jaid Mello (PE), João Rod (PI) e Jr Araújo (PI). Completa o line-up de atrações, show de LC e Forró Tamo Junto. Ingresso: R$ 40 (1º lote).

Outras info: 9 9743 8775.

 

DRAGON CLUB

 

NESTE DOMINGO, dia 20, o Dragon Health Club (Rua Almirante Jaceguai, 239 - Praia de Iracema, na ladeira do Centro Dragão do Mar) recebe dois eventos simultâneos: a escolha do Mister Barra do Ceará e da Miss Gay Barra do Ceará, a partir das 20 horas. Os dois concursos terão apresentação de Tatiana Hilux (FOTO) e Mizzayra Shiva. E completando o line-up de atrações, o show Divinas Divas, com Flavia, Adma, Kyarah, Naara e Mônica. Todos os equipamentos do Club estarão funcionando normalmente a partir das 16hs. Ingresso: R$ 50 e R$ 40 (estudante, homens acima de 60 anos e pessoas com nome na lista). Acesso limitado ao bar: R$ 10. Outras info: 3219 2016.

Émerson Maranhão

TAGS