PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

As donas da festa toda

01:30 | 03/03/2017

Passado o Carnaval, esse rito que marca o início “real oficial” de um novo ano, uma tese ganha força: 2017 será das drags na música pop brasileira. Das ladeiras de Olinda, passando pelos trios de Salvador e chegando ao fervo no Mercado dos Pinhões, em Fortaleza, teve espaço para novas cantoras nacionais que não querem mais só os palcos (maravilhosos) das boates de bate-cabelo.

O sucesso da música Todo dia, da Pabllo Vittar, durante a folia não foi surpresa para ninguém. O hit, porém, é só a ponta do iceberg de um movimento que está bem fortalecido. A prova é que outras artistas drags também bombaram nos paredões. O single debochado Chifrudo, parceria entre Lia Clark e Mulher Pepita, caiu no gosto do público, que aprendeu rapidinho o refrão: “Não adianta nem chorar, sou a famosa perigosa”.

Já a cantora potiguar Kaya Conky, com o single E Aí Bebê, está se firmando como a voz drag do Nordeste e tem tudo para conquistar o País. A música cheia de atrevimento e duplo sentido, também sucesso na folia, já mostra indícios de que vai sobreviver à Quarta-feira de Cinzas.

Já os versos “Tentação, desço até o chão, cabeça pro alto catuaba na mão”, das drags Aretuza Lovi e Glória Groove (foto), já estavam bombando antes mesmo de fevereiro chegar. A Glória, inclusive, tem proposta musical que vai além do pop. Uma prova viva de que o movimento drag não se pretende um só. Fugindo de “padrãozinho”, Glória, que canta o bordão “dona da porra toda”, acabou de lançar um CD cheio de letras de rap. O álbum pode ser ouvido aqui: onerpm.lnk.to/OProceder.

Além da diversidade de ritmos e do sucesso que só cresce, algo mais precisa ser comemorado: essas novas “manas” da música parecem não seguir a escola RuPaul’s Drag Race de competição. As artistas estão mais para a linha do reality Glitter: em busca de um sonho, que nos presenteou com a icônica parceria de Rochelle Santrelly e Sangalo Schneider. Nossas cantoras donas da porra toda estão sabendo: o choque de monstro é melhor quando as bichas destruidoras mesmo dão as mãos.

 

OUÇA ESSA

 

“O medo (de se assumir) é extremamente compreensível, mas viver enrustido não é justo com você. Se você nasceu numa família homofóbica e machista, não se adeque a eles. São eles os inadequados e você não deve se moldar com base em pensamentos preconceituosos, mesmo que eles venham de pessoas da sua família”

Erick Krominski, ator e ex-repórter do programa CQC, em entrevista ao Catraca Livre. Esta semana, ele se assumiu gay em postagem no Instagram em que se declarou para o namorado, Pablo, com quem vive junto desde fevereiro de 2015.

 

Disney friendlyNa aguardada nova versão de A Bela e a Fera, que chega no dia 16 deste mês aos cinemas, tem personagem LGBT. O diretor do longa, Bill Condon, antecipou em entrevista à revista Attitude que a narrativa refilmada em live-action (com atores) vai tirar LeFou (Josh Gad) do armário e dará espaço para a homossexualidade do ajudante do vilão Gaston (Luke Evans). É o primeiro personagem assumidamente gay dos estúdios Disney no cinema.

 

Disney friendly (2)

Esta semana, bombou também o primeiro beijo entre casais do mesmo sexo em um desenho do famoso estúdio norte-americano. O episódio Just Friends (Apenas amigos), da animação Star vs. as Forças do Mal, exibido no canal Disney Channel,mostrou vários casais se beijando, incluindo pares formados por dois homens e duas mulheres. A polêmica foi grande, mas o avanço foi maior. Nada mais natural do que tratar com naturalidade o amor.

FESTAS DO FINDE1 Reunindo pop, funk, axé, bagaceira, forró e house music, a festa Marvellous reúne amanhã, a partir das 23 horas, os shows de Rafha Madrid, Phil Romano (foto) e Monique Pessoa na boate Lancelot, na Praia de Iracema.Pista (R) e Camarote (R) 2 Amanhã na barraca Cabumba (Avenida Zezé Diogo, 3911, Praia do Futuro) terá discotecagem com o DJ Gomes a partir das 13h30min. No domingo, no mesmo horário, o local será palco de show com Regina Marrom e Os Authênticos do Samba, com repertório de marchinhas de Carnaval. Couvert: R$ 6 (salão) e R$ 2,50 (praia).3 A festa Rala a sua mandada: a ressaca promete não esperar o Carnaval de 2018 chegar para ter lacração. Com sets especiais das cantoras Pabllo Vittar e Lady Gaga, o evento comandado pelo dj André Wirtzbiki vai destacar hits do pop e do funk e relembrar ainda as músicas que bombaram na folia neste ano. A quarta edição da festa acontece amanhã, a partir das 20 horas, no At Home (rua Canuto Aguiar, 1424, na Varjota). A entrada custa R$ 10 até meia-noite e R$ 15 depois desse horário.4 Já na boate Haus (Av. Almirante Tamandaré, 19) amanhã é dia do baile funk Explosão. Serão duas pistas, a principal dedicada ao pancadão e a segunda dedicada ao pop. Entre os DJs, destaque para Marcos BDR, Tay Marcelino e Lívia Aragão feat. Kas Freitas. A entrada custa R$ 30.

 

5 A Mulher Pepita se apresenta hoje, a partir das 23 horas, na boate Level (rua Dragão do mar 218). Dona do hit Chifrudo (junto com Lia Clark), a cantora apresenta repertório com funk em noite que vai ter ainda os djs MMAX, Luiz Neto, Italo Bergman, Ph Archibald, entre outros. Os ingressos custam de R$ 15 a R$ 50 (camarote).

 

"Cura gay" ressuscitada? Um controverso projeto que pretende discutir a “cura gay” está de volta à Câmara dos Deputados. Quem ressuscitou a discussão foi o deputado Ezequiel Teixeira (PTN-RJ), autor do projeto de lei (4931/2016), que prega que psicólogos e/ou psiquiatras podem auxiliar o paciente na mudança de orientação homossexual para heterossexual. O texto coloca que a medida é necessária “em atenção à dignidade humana”. Esperemos mais um arquivamento.

 

Vera Holtz e os vilões da vida realNa novela A lei do Amor, a atriz Vera Holtz pinta e borda maldade como a vilã Magnólia. Fora da tela, a atriz, que é engajada e tem discurso afiado contra a LGBTfobia, deu resposta certeira ao simulacro de vilão que é o pastor Silas Malafaia. Rebatendo mais uma postagem das muitas que Malafaia dedica a discutir temas do universo gay, a artista deu o seguinte vrá: “Safadeza não é um beijo gay, pastor. Safadeza é fazer lavagem de dinheiro e conseguir bens materiais usando a fé das pessoas".

 

RENATO ABê