PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Pra não esquecer (1)

00:00 | 03/12/2017

Quando vejo um grupo de pessoas nas esquinas da cidade portando faixas pedindo a volta dos militares ao poder, fico pensando que, ou eles, não haviam nascido na época da Ditadura, se eram, não aprenderam nada na escola (ensino da nossa História foi muito falho) ou gostam mesmo de regimes autoritários. Falam de um período de bonança, de honestidade, de maravilhas. Não sabem ou não querem saber o que houve, de verdade, naqueles 21 anos. 

PRA NÃO ESQUECER (2) 

Jornalista Marcelo Freire, do portal UOL, em abril de 2015 fez um levantamento de dez casos rumorosos acontecidos durante a Ditadura Militar brasileira e que não chegavam ao grande público por causa da censura. Pincei alguns, pra refrescar nossa memória, como o caso de contrabando na Polícia do Exército. A partir de 1970, dentro da 1ª Companhia do 2º Batalhão da Polícia do Exército, no Rio de Janeiro, sargentos, capitães e cabos começaram a se relacionar com o contrabando carioca. O capitão Aílton Guimarães Jorge, que já havia recebido a honra da Medalha do Pacificador pelo combate à guerrilha, era um dos integrantes da quadrilha que comercializava ilegalmente caixas de uísques, perfumes e roupas de luxo. 

PARA NÃO ESQUECER (3) 

Um dos nomes mais conhecidos da repressão, atuando na captura, na tortura e no assassinato de presos políticos, o delegado paulista Sérgio Fernandes Paranhos Fleury foi acusado pelo Ministério Público de associação ao tráfico de drogas e extermínio, relembra o jornalista Marcelo Freire. Pertencia ao Esquadrão da Morte, um grupo paramilitar que cometia execuções. Fleury também era ligado a criminosos comuns, segundo o Ministério Público, fornecendo serviço de proteção ao traficante José Iglesias, o “Juca”, na guerra de quadrilhas paulistanas. 

PARA NÃO ESQUECER (4) 

Em 1976, as Redações de jornal já tinham maior liberdade, apesar de ainda estarem sob censura. O jornalista Ricardo Kotscho publicou no “Estado de São Paulo” reportagens expondo as mordomias de que ministros e servidores, financiadas pelo dinheiro público, dispunham em Brasília. Uma piscina térmica banhava a casa do ministro de Minas e Energia, enquanto o ministro do Trabalho contava com 28 empregados. Na casa do governador de Brasilia 6.800 pãezinhos teriam sido adquiridos num mesmo dia. Filmes proibidos pela censura, como o erótico “Emmanuelle”, eram permitidos na casa dos servidores que os requisitavam. Na época, os ministros não viajavam em voos de carreira, e sim em jatos da Força Aérea. 

PARA NÃO ESQUECER (5) 

E só mais uma: Delfim Netto. Delfim – ministro da Fazenda durante os governos Costa e Silva (1967-1969) e Médici, embaixador brasileiro na França no governo Geisel e ministro da Agricultura (depois Planejamento) no governo Figueiredo – teria beneficiado a empreiteira Camargo Corrêa a ganhar a concorrência da construção da hidrelétrica de Água Vermelha (MG). Anos depois, como embaixador, foi acusado pelo francês Jacques de la Broissia de ter prejudicado seu banco, o Crédit Commercial de France, que teria se recusado a fornecer US$ 60 milhões para a construção da usina hidrelétrica de Tucuruí, obra também executada pela Camargo Corrêa. Para um domingo , já chega de recordações. 

CORANTE VERSUS PARKINSON 

O Laboratório de Neurociências e Comportamento do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos da Universidade Federal do Ceará tem investigado as propriedades do corante Brilliant Blue-G (BBG) no combate ao Parkinson e já constatou que, além de proteger os neurônios, evitando boa parte das lesões provocadas pela doença, a substância também diminui os efeitos colaterais da principal droga usada normalmente no tratamento, a L-Dopa.O BBG é aquele corante que deixa a língua azul quando usados em bombons que faz a alegria das crianças. Essa boa notícia, com detalhes, está na Agência UFC. 

BALANÇO

 

Fabrício Cavalcante (foto),CEO da Jereissati Centros Comerciais, reuniu um grupo da imprensa num almoço e fez um balanço dos números do shopping Iguatemi relativos a 2017.Apesar da crise, se saíram bem. Foi momento de confraternização e agradecimento aos jornalistas. Faziam parte do grupo ,também, Wellington Oliveira, superintendente e Rachel Mendonça gerente de marketing do shopping .Entre as novidades anunciadas, a chegadada Forever 21. 

Miudezas

 

SENADOR JOSÉ Pimentel (PT) está certo de que o Brasil terá mais quatro milhões de microempreendedores individuais, a partir de janeiro de 2018. Foi o que disse no VIII Fomenta Brasil, evento do SEBRAE.O CEARÁ AO Vivo começou ontem, mas continua hoje (3) a partir das 16h, no aterrinho da Praia de Iracema ,ou Praia do Crush, como chama a moçada. 

RACISMO, homofobia, misoginia, gordofobia... A humanidade parece que está andando para trás.

INêS APARECIDA