Alan Neto: E ainda foi pouco...
PUBLICIDADE

VERSÃO IMPRESSA

Alan Neto: E ainda foi pouco...

2018-10-01 01:30:00
- ESQUEÇAM o primeiro tempo do Ceará, ontem a noite, no Castelão, contra a Chapecoense. Simples fato de que o time não foi a campo. Deu a impressão ter ficado dormindo na concentração. Tanto assim que se deixou dominar pela Chape, tomou um gol em falha do goleiro Éverson, ao rebater pra dentro da área. Tudo isso deixou a torcida alvinegra apreensiva, diante da possibilidade de permanecer na maldita zona de rebaixamento.

 

- MENOS mal, ou ainda bem, partida de futebol tem dois tempos. E o que aconteceu, então? No segundo tempo o Ceará foi outro completamente diferente. A bronca no vestiário do técnico Lisca deve ter comido solta. Bronca muitas vezes não é santo, mas obra milagre. Não era aquele Ceará que ele queria, muito menos a sua torcida, tão convicta de que finalmente o time sairia da zona de rebaixamento. Não com aquele futebol.

 

ÁGUA & VINHO

 

- MUDANÇA no segundo tempo foi da água para o vinho. E olhem que o Lisca não mexeu na equipe deixando em campo os mesmos jogadores. Não precisava caçar bruxa naquele momento. Se era pra mudar alguma coisa, teria que mexer em todo o time que jogou pedra na lua.

 

- O QUE fez, então, o Ceará se transformar em campo? Alguns fatores que pouca gente percebeu. Uma delas. Se era pra virar o placar, teria que ser agressivo, buscar o gol do adversário com intensidade. Atuar verticalmente. Uma das mudanças táticas foi mandar os dois laterais também avançarem, em ajuda aos dois pontas. Samuel Xavier é exímio nessas subidas. Do outro lado, Jonathan foi o parceiro ideal pro apagado Calyson.

 

ESCRITA EM DIA

 

- FUNDAMENTAL que o Ceará alcançasse logo o empate, antes que a Chapecoense armasse uma retranca. Realmente, aconteceu no gol de empate feito por Valdo. Chegou como elemento surpresa. Aproveitou hesitação dos zagueiros adversários pra entrar com bola e tudo. Bom que se diga. Atuação de Valdo nada ficou a dever ao titular Tiago Alves. O contrário. Valdo leva, sobre o titular, a vantagem do faro de gol. Não é o primeiro que marca. Já foram vários.

 

- EVIDENTE que este gol acordou o o Ceará pra realidade. Incendiou o jogo, encurralou o adversário. Até surgir o golaço de Arthur, poucos minutos depois. Arrancada pela direita, levou vantagem com o corpo sobre o zagueiro, desferindo uma bomba que o goleiro Jandrey não viu por onde passou. Arthur, estava precisando daquele gol pra lavar o peito e também a alma. Fazia tempo que estava devendo. Ontem, botou a escrita em dia.

 

TEMPESTADE & BONANÇA

 

- SACRAMENTADA a virada, o Ceará podia gastar o tempo tocando a bola. Na borda do campo, Lisca berrava -"Quero mais, quero mais". Ordem de técnico, jogador atende no ato. Terceiro gol de Leandro Carvalho, colaboração inestimável do goleiro da Chape. Bola entre as pernas chega a ser desmoralizante. Consumada a vitória de 3x1, o Ceará saiu pro abraço. Aliás, dois. A vitória de virada em si e finalmente sair da maldita zona de rebaixamento. Demorou, mas este dia chegou pra alivio geral da torcida alvinegra. Já não era sem tempo. Passada a tempestade virá a bonança?

 

ANTES QUE ESQUEÇA

 

- AQUI pra nós. Como é limitado este time da Chapecoense! Não por acaso é o pior visitante do Brasileirão. 3x1 ainda foi pouco.

 

PONTA DE LANÇA

 

... INCRÍVEL como a dupla Richardson e Edinho jogam por telepatia... /// FINALMENTE Lisca deu colher de chá ao Ricardinho pra entrar em campo, cravando seus 250 jogos com a camisa do Ceará /// SABE quando o Jonathan deixará a lateral-esquerda? Nunca /// MELHOR do jogo? Disparadamente, Arthur.

ALAN NETO

TAGS