PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Chance de reabilitação no Castelão caiu do céu para o Fortaleza

Esportes

01:30 | 14/09/2018

- CHANCE de reabilitar-se dos três últimos insucessos, essa de hoje a noite, contra o Sampaio Corrêa, mesmo dentro do Castelão de lá, caiu do céu para o Fortaleza.

 

- POR várias razões. A principal delas. O Sampaio é hoje, disparadamente, o pior time da Série B, ostentando (que palavra!) a última colocação, quer dizer lanterna, com diminutas possibilidades de salvar-se do rebaixamento. Aliás, só um milagre o fará. E milagre em futebol não existe.

 

- EMBORA esteja enfrentando alguma turbulência, o que é normal num campeonato longo e enfadonho, o Fortaleza, time por time, é muito melhor. Basta ver a colocação dos dois para se chegar fácil a essa conclusão. Os números são reluzentes e indesmentíveis.

 

- SEQUER a vantagem de atuar em casa deve se levar muito em consideração a favor do Sampaio Corrêa. Vai longe o tempo em que no Castelão maranhense ele dava as cartas e era difícil de ser batidos. Para se ter uma ideia, nem se sabe a última vez que venceu em seus domínios.

 

- TRICOLOR, por sua vez, precisa reencontrar o caminho das pedras, do qual andou se perdendo nos últimos jogos, em casa ou fora. Eis a chance que pediu a Deus. É aproveitá-la antes que o pior possa lhe acontecer.

 

CAUSAS & EFEITOS

 

- ÚLTIMA invenção de Ceni que lhe custou caro (derrota para o Criciúma) deve ter servido de lição.

 

- MEXIDA na meia cancha desnorteou o time por completo, fê-lo vulnerável, batendo cabeça, criatividade zero.

 

- DESCULPA de que contusão de Jean Patrick pode ter sido uma das causas não explica, nem convence.

 

- PATRICK não é esses balaios todos, Bonilha apenas razoável, Dodô, com sua intensidade, este sim, dá mais mobilidade ao Tricolor.

 

- NO ataque reside o grande nó. Gustavo deixou de balançar as redes, sob alegativa de que a bola não lhe chega. E se não chega ele fica perdido entre os zagueiros. Tentar buscá-la não é do seu feitio, nem faz o seu perfil.

 

- SOLUÇÕES buscadas nas duas pontas não emplacaram, exceção de Marcinho, ainda assim inconstante. Na outra ponta, todas as experiências feitas fracassaram.

 

- ALIÁS, cabe perguntinha inútil. De que serviram contratações de Romarinho e de Éderson? O primeiro é fraco. O outro, fama de artilheiro, fez um gol e parou por aí.

 

TROCA-TROCA

 

- QUATRO técnicos trocados, ao longo da Série B, Sampaio Corrêa, de todos os clubes que disputam a competição, é recordista absoluto. Não precisa dizer, porque óbvio, nenhum deles conseguiu emplacar, muito menos tirar o time maranhense do atoleiro em que se encontra.

 

- LEMBRA frase histórica do grande Dimas Filgueiras: "Não há cavaleiro bom pra cavalo ruim..."

 

OLHO VIVO!

 

- SE intenção do Ceará é a de conseguir dar a volta por cima, permanecendo na Série A, antes que sua vaga seja ocupada pelo Fortaleza, precisa reaprender a vencer. Especialmente dentro de casa.

 

- CONCORDO que campanha alvinegra, para o que era antes, melhorou após a chegada de Lisca. Não o suficiente para passar confiança à torcida, a ponto de achar que desta vez vai.

 

- VITÓRIA, adversário de amanhã, está em ascensão após chegada do técnico Carpegiani. Há quatro jogos não perde, resultados que o catapultaram a uma posição mais sólida, menos vexatória do que aquela em que se achava

 

PONTA DE LANÇA

 

TREINO do Ceará, ontem, Castelão pela manhã, sol estava rachando. Jogadores tiveram de apelar até para o indefectível protetor solar. Menos mal que ninguém tenha tido uma insolação... /// CIEL, lembram dele? De volta ao futebol cearense. Quando veio para o Ceará, meteu na cabeça do presidente Robinson que Alá o tinha mandado pro Alvinegro. Robinson acreditou e deu no fiasco que deu. Agora foi o Caucaia que o acolheu. Não se sabe se a mando do Alá...

ALAN NETO