PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Entre achados & perdidos

2017-10-04 01:30:00

CEARÁ PERTO OU LONGE DO PÓDIO?
 

SUBIDA do Fortaleza pra Série B, tudo que a torcida do Ceará não queria, acendeu o fogo da rivalidade entre os dois. Como assim? Agora, é a torcida alvinegra que não abre mão da Série A.
 

ALVINEGRO, pelo andar da carruagem, mais perto do que longe. Se tem time pra subir, não é pior que o Vila Nova, que enfrentou ontem, muito menos Paraná e Juventude, que também buscam o
mesmo objetivo.
 

RIVALIDADE em futebol é movida a paixão desenfreada, por vezes irracional. Bem que o novo presidente do Fortaleza, Luís Eduardo Girão, tentou hastear a bandeira da paz com ações de política de
boa vizinhança.
 

TENTAR é uma coisa, conseguir é outra. Ele até quer, mas torcedor rejeita. Ceará, pior ainda. Querem um exemplo? Até hoje diretoria alvinegra, via Robinson, não escreveu uma linha sequer parabenizando o feito do rival. Nem o fará. Não comeu manga com febre, nem quer ser enforcado em praça pública.
 

LEMBRA histórica frase do inesquecível Frota Melo, nos áureos tempos do Ferrão: “Aos inimigos não se mandam flores e sim bananas de dinamite”...
 

ALFINETADAS
 

.ZAGO barrou Lúcio Flávio porque artilheiro que não faz gol merece o banco como castigo.
 

.LEVOU sorte ao lançar Leandro Cearense (quem dele ainda lembrava?), coube fazer o gol da vitória, de bicudo.
 

.SE o Sampaio, com aquele time cheio de refugos cearenses, foi o melhor da Série C, imaginem o pior.
 

.DIRETORIA tricolor, consta, pagou R$ 1 milhão pelo acesso. Time maranhense 20% disso, ou seja R$ 200 mil.
 

.ASPECTO horrível do gramado do Castelão impressão é a de que ali não houve show, sim uma batalha campal.
 

.BOM público, 28 mil. Porém, daria o dobro se ingresso fosse a metade. Ganância demais, o bicho vem de lá e come.
 

LÍNGUA DE TRAPO...
 

... QUER dizer, então, que o Corrêa foi convidado especial da diretoria, lá estava fagueiro e feliz no camarote? Sintam-se também homenageados os pés frios e amarelões, que enterraram o Tricolor nos dois mata-matas anteriores. Sobreviveu apenas o Éverton. Cuja bola foi murchando, murchando... Murchou. 

 

FOI a vitória mais importante do Ceará, ontem à noite (2 a 0) sobre o Vila Nova. Não só pelo resultado em si, que o guindou ao G-4. Foi a noite de glória de Magno Alves. Dele o gol que consolidou a vitória do Ceará, com classe, categoria e frieza dos grandes craques. Estava de peito lavado 

ALAN NETO

TAGS